segunda-feira, 21 de março de 2016

A “grande aventura” da tia de Dorothy na vida real

A atriz Clara Blandick será para sempre lembrada como a doce tia Em de O Mágico de Oz (Wizard of Oz, 1939). E é muito triste saber como foi sua morte num domingo de ramos de 1962.

Ela estava com 82 anos, católica, foi na missa naquela manhã, voltou pra casa tomou cartelas de soníferos, deitou-se no sofá e enfiou um saco na cabeça. Deixou uma carta de suicídio que começa com “Agora estou prestes a fazer uma grande aventura”.

Foi encontrada ainda com sua melhor roupa e cercada por recortes de jornal e fotos de sua longa carreira. Nascida em 1876, ela começou a trabalhar no cinema em 1907, antes mesmo de Hollywood ser inventada.

Clara Blandick estava sem trabalhar desde 1951, quando se aposentou. Depois teve atrite grave e cegueira completa, situação que lhe deprimiu imensamente em seus últimos dias.


Seu trabalho em O Mágico de Oz, que a levou à posteridade, foi filmado em apenas uma semana. Pequeno, mas de grande importância à trama por simbolizar a luta de Dorothy em retornar ao lar, para seus braços.

Veja também:
Charles Boyer, romântico como na ficção
Controversa morte de Lupe Vélez
Breve trajetória de uma estrelinha Universal
O dia em que Geoge Sanders se entediou
Trágica deusa chinesa

1 comentários:

LalaSouza disse...

O que me entristece em muitos casos de artistas antigos, é que eles não se desapegam nunca da fama que já teve. O aplauso vicia, e depois que o silêncio vem, esses antigos artistas caem em profunda tristeza, e passam seus anos a relembrar e recontar seus dias de holofotes. Essa foi a verdadeira causa da morte dela, e de muitos outros.

Related Posts with Thumbnails