terça-feira, 27 de outubro de 2009

Como surgiu a Loira do Banheiro


Só fui usar o banheiro da escola no colegial de tanto medo da loira que o assombrava. A entidade apareceria num banheiro específico pedindo ajuda para que lhe tirássemos o algodão do nariz.

Para meu azar, troquei de escola na terceira série e lá havia outra assombração de cabelo descolorido. E ninguém parava pra discutir a possibilidade, muito mais plausível, de ser uma grande mentira!

Todas as escolas do Brasil tinham suas loiras que depois de mortas iam fazer a linha banheirão. Totalmente incorporada ao imaginário popular, a Loira do Banheiro foi tema de historinha da Turma da Mônica e de um filme X-rated.

A extinta revista General (editora Acme/Sampa) desvendou o mito. Em sua edição 13 conseguiu entrevistar um de seus criadores, Mário Luiz Serra, ex repórter do Notícias Populares, que na ocasião em que assumiu a farsa, trabalhava em Jundiaí como pacato professor de cursinho universitário.

Ao entrar para o NP em 1966 o jornal corria o risco de fechar, então começaram a apimentar situações. Leia alguns trechos da entrevista concedida à repórter Rute Domitila:

“Num domingo, chegamos à uma hora da tarde na redação e não havia acontecido nada naquele dia. Ligamos para o IML, ninguém estuprou ninguém, nenhum amante se suicidou... Era, enfim, um domingo tedioso. Caiu na nossa mão uma foto de uma funcionária do NP, encarregada do tráfico interno.

Você lembra o nome dela?
Era um nome próximo de Luzinete, Ivonete, uma Nete, não lembro direito. E ela era uma mulher muito gostosa. Todo mundo tinha terríveis intenções para ela. E ela não sobrava pra ninguém. A foto dela que tínhamos estava com um borrão. Ficamos discutindo o que fazer. Pensamos até em repetir uma manchete que havia causado certo furor -"Morte no Treme-Treme" (de imediato as pessoas acharam que se tratava de morte ocorrida em prédios de São Paulo; na verdade, estávamos nos referindo ao terremoto no Chile). E aí aparece a foto da moça. Alguém disse que estava parecendo um fantasma. Eu gritei: "Está aí a manchete!". Fomos compor e o título que deu foi "Loira Fantasma Aparece Em Banheiro De Escola".

A escolha da manchete foi aleatória?
Sim. Bolamos a manchete de acordo com o número de caracteres que precisávamos. Assim que o jornal saiu, fomos comer e passamos em uma banca de jornal. Não tinha nenhum NP. Perguntamos ao jornaleiro o que havia acontecido com o jornal e ele nos contou que já havia esgotado.

Qual foi a reação de vocês?
Nós não entendemos nada. Só sei que muita gente ligou para a redação afirmando que também tinha visto a Loira Fantasma no banheiro de escolas.

Como chamam os outros criadores da Loira?
Minas Conjumijan e Sérgio Costa, já falecido. Nós três criamos a Loira Fantasma.

Não havia, na época em que vocês inventaram a história da Loira, nenhum boato, nenhuma informação de que corria pela cidade uma história dessas?
Nada. Tudo começou com a foto da funcionária. A gente usou o banheiro como palco para a aparição dela, repito, por mero acaso, necessidade de fazer valer o espaço da manchete.

E por onde anda essa moça que foi a responsável pela história toda?
Ela não acreditou que a foto era dela por causa do borrão, bem no rosto.

Ah, o borrão é o algodão...
O borrão é o algodão que as pessoas viam. Essa história rendeu muito. Uma coisa surpreendente: você acha que essa Loira aparecia em que escolas?

Nas situadas em regiões periféricas, talvez...
Eu também achava. Mas a Loira apareceu em todo tipo de escola. Tem uma história que aconteceu no Colégio Rio Branco, quando ainda se localizava em Higienópolis. Um dia entra uma senhora rodeada por um bando de mocinhas todas em prantos. Tinham acabado de ver a Loira. Não dava pra não rir. A senhora era a diretora da escola. Ouviu as meninas gritando, foi ver o que era, pegou a máquina fotográfica e fotografou a Loira. Pensei: "Se esta mulher estiver com uma foto da Loira, eu vou me internar". Mandamos o filme para o laboratório e, quando ficaram prontas as fotos, cadê a Loira? As fotos eram de um banheiro vazio. A senhora gritou: "Está vendo como é fantasma? Se fosse gente tinha saído nas fotos!".

Chegando nesse ponto, a coisa estava ficando complicada. Vocês não pensaram em publicar uma matéria revertendo ou encontrando uma outra saída para a Loira?
Fomos conversar com um psiquiatra, Miguel Possi Neto. Segundo ele, não bastava a gente dizer que tudo aquilo era mentira, o problema maior era fazer o leitor acreditar que era mentira. Nos fez então uma proposta: publiquem que é mentira e verão se os leitores acreditam ou não. Nessa altura nós estávamos recebendo pressões de todos os lados, inclusive da Secretaria da Educação. A molecada não queria ir ao banheiro.

Eu mesma só ia em casa.
As pessoas que não conseguiam se controlar, usavam os corredores, a própria sala de aula. Isso criava um grande problema. Então demos a manchete: "Loira Fantasma Era Farsa". Ninguém acreditou no desmentido. Recebíamos telefonemas absurdos, dizendo que estávamos escondendo alguma coisa. A Loira continuou aparecendo.

A Loira Fantasma não foi só vista em São Paulo.
Não. Ela pegou inicialmente a Anhanguera e foi aparecendo em outras cidades, daí em outros estados.

E a tal da Luzinete nem lucrou com a história da qual foi protagonista.
Nada. Pior que isso. Uma prima dela jurou que também tinha visto a Loira.

Você tem idéia do paradeiro dela?
Há um tempo atrás eu soube que ela havia se casado e tinha um restaurante no caminho de Bertioga.

Para acabar ou diminuir a importância de uma história, nada melhor do que inventar outra.
Para substituir a história da Loira Fantasma, criamos o Bebê Diabo.”


Veja também:
A verdadeira Monga A Mulher Gorila
Jornalismo Gonzo
Chupa-cabra - A Verdade está Lá Fora
O sensacional Notícias Populares


[Ouvindo: The Lady Is A Tramp – Frank Sinatra]

23 comentários:

Geek Ionizado disse...

Eu curti :)

Miguel Andrade disse...

Geek, mas a Loira ainda assombra a geração de vocês? Ela é mesmo imortal!

Jorai disse...

eu era outro q ñ ia no banheiro... mas no paraná tínhamos tb a loira do taxi.

Miguel Andrade disse...

Jorai, ah! Já ouvi falar da Loira do Taxi também!

Leticia disse...

Estava lendo, lendo (é óbvio que conheço a história) e pensando: mas que jornalista fdp!

Mas, pensando bem, como o que a gente vê hoje da imprensa política, o Mário Luis Serra é um doce de criatura...

Quando eu era criança, havia a velha do álcool. Ela existia mesmo. Era só a figura despontar no começo da rua que a criançada entrava em casa pá-buf.

Tadinha, era uma senhorinha que tinha um problema na perna e pedia álcool nas casas pra passar no ferimento. Tadinha, tenho remorsos até hoje por tê-la tido como uma bruxa...

Miguel Andrade disse...

Letícia, na segunda escola eu já duvidava da história da Loira, mas por via das dúvidas me pelava de medo.

Tem um pedaço da entrevista que não coloquei, que ele diz que só faziam envieses. Pelo menos assumem isso, sabe-se o que se está consumindo.

Ah, mas a avó da minha amiguinha ganhava grana da gurizada pra se transformar em bruxa. Eu fui um dos bobos que pagou.

Leo disse...

Tive muitos pesadelos com a loira do banheiro. É uma daquelas figuras emblemáticas da infância, dos mitos que você supera. Depois do papai noel e do coelho da pascoa, tem a loira do banheiro

Miguel Andrade disse...

Leo, sei lá se eu não teria medo hoje em dia... Faz tempo que não entro numa escola.

Fui mordido gravemente por uma Colie aos 5 anos e só com 20 e tralalá passei diante de outro cachorro de raça semelhante. Meu coração quase saltou pela boca!

ed disse...

Semanas atrás, minha professora contou que o filho dela tava com medo da tal loira do banheiro. Ela, p/ "desassustar" o garoto falou: "Não fique com medo não! Pelo contrário, se vc a encontrar, pede um autografo e tira uma foto com ela!"

Eu peguei essa epóca da Loira, mas o que me dava mais medo na epóca da escola, era a 'história da kombe', aquela do palhaço, da bailarina e do mágico. Passava longe desses veículos...

Estava lendo algumas noticias, acho que a coitada da Loira deve ter se aposentado em MUITOS lugares. Já que a "criançada" transformou banheiros de escola em verdadeiros motéis.

Miguel Andrade disse...

Ed, nunca ouvi falar nessa da bailarina, palhaço e mágico na kombe. Deve ser local de Itapetininga.

ed disse...

Miguel, foi a lendamitoboatoescandalo de Itapetininga em 1995-96... Mas a cidade não era a única a passar essa coisa adiante, na internet tem as outras versões.

Renata disse...

Miguel,
a Loira do Banheiro é quase que folclore brasileiro... rs

Mas eu estava ouvindo uma conversa outro dia, da minha filha e dos amigos dela... Eles não tem mais medo não. A conversa eram formas de se chamar a Loira do Banheiro... Nota: tem que se jogar um fio de cabelo no vaso e dar descarga três vezes... rsrsrsrs

Miguel Andrade disse...

Ed, eu já era mocinho nessa época, não morava no interior. Por isso não tinha ouvido.

Renata, então! Incrível como entrou no imaginário popular. Acho que nunca mais desaparece.

Um colega meu, disse isso mesmo. Que eles não tinham mais medo.

Zu Campos disse...

Na minha cidade (Colatina-ES) e região, a lenda conhecida era da "mulher de algodão". Diziam ser uma professora que foi morta a golpes de Gillette por um aluno (dos piores) num banheiro de escola. E para ser sepultada ela teve suas ferimentos preenchidos com algodão... depois virou assombração dos banheiros de todas as escolas. Essa lenda em minha opinião foi inventada pelos professores que não gostavam de liberar seus alunos para irem ao banheiro no meio das aulas. Mas que dava medo, isso dava.

Miguel Andrade disse...

Zu Campos, mas a lenda é a mesma! Com pequenas mudanças, porque comentavam a origem da assombração.

Anônimo disse...

a Marvel tem uma Loira Fantasma:
http://en.wikipedia.org/wiki/Blonde_Phantom

http://www.guiadosquadrinhos.com/personbio.aspx?cod_per=4471

Miguel Andrade disse...

Anônimo, mas é só o nome igual, né? Deve ser coincidência.

Anônimo disse...

era uma piada :(

Miguel Andrade disse...

Anônimo, e eu estraguei! Hahahaha Sou campeão nessa modalidade!

Já sou naturalmente meio, digamos assim, zonzo! Imagina ao acordar?

Venho checar o blog e normalmente acontecem coisas assim! hahah

Andreia Nicole disse...

Eu sou apaixonada por historias de terror e fantasmas.
Acredita que eu passo os intervalos no banheiro so para ver a Loira?
E sim...Kkkkkkk.
Como eu sou morena sempre peço a Cristina(minha colega loira) uma mexa do cabelo dela.
Depois e so jogar na privada e correr 3X a agua enquanto se diz 3 palavrões.
Mas ele nunca pe da o cabelo porque como e dela ela tem medo que o fantasma va atras dela...


Ps: eu tenho 12 anos

BE BAD!
You know... i wisn you all the bad luck...

Miguel Andrade disse...

Andréia,a Cristina não é boba nem nada! Kkkkk

Anônimo disse...

Eles invetaram a Loira do Banheiro? E nunca tinham ouvido boatos? ahn me poupe vai.. Bllod Mary eh a Loira do Banheiro nos Estados Unidos, assim como tem também em vários paises.. inventou.. inventou uma pinoia..

Miguel Andrade disse...

Anônimo, inventaram sim. Qual é a relação entre a loira do banheiro e qualquer outra lenda urbana estrangeira? Além de serem lendas urbanas, claro.

Related Posts with Thumbnails