quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Joan Crawford sobre Ruth de Souza: “Uma grande atriz do Brasil”

Ruth de Souza, uma das mais prestigiadas atriz da nossa cultura, estava no auge em 1953 quando a imprensa nacional noticiou que Joan Crawford viria ao Brasil para contracenar com ela. “Parece até impossível! Eu, ao lado de Joan Crawford, a quem sempre admirei tanto!” disse a brasileira à revista Manchete na época.

A atriz, que faleceu no último domingo (29) aos 93 anos de idade, pedia cautela à imprensa sobre o assunto: “Por enquanto é tempo de esperança, não de notícias”. Mas já havia saído no New York Times, inclusive com depoimento de Joan Crawford se declarando empolgada com a possibilidade de trabalhar “ao lado de uma grande atriz brasileira”.

O filme era Promised Land (Terra Prometida), adaptação da autobiografia de Joan Lowell e seria rodado em Goiás. O livro narra as aventuras de Lowell, ex-estrela hollywoodiana do cinema mudo, pelas selvas brasileiras onde passou a viver.
Joan Lowell e Charles Chaplin em Em Busca do Ouro (The Gold Rush, 1925)
Em 1953 Lowell confirmava a produção se dizendo feliz com a estrela Ruth de Souza interpretando no  filme. Quase 20 anos atrás a ex atriz e autora se apaixonou pelo Capitão durante um cruzeiro de turismo e viveu no Brasil uma aventura selvagem digna de Hollywood.

Ao desembarcar no porto de Santos (SP) ela estava decidida a deixar tudo pra traz, aprender português, pescar e caçar para se alimentar e ir sozinha até o Cerrado esperar pelo amado que chegaria após suas última viagem. Acreditava que a região central do país era ideal para fugir dos holofotes e recomeçar a vida.

Acabou ficando por aqui, sendo chamada pelos nativos por Dona Joana. Dona Joana virou fazendeira de café e corretora imobiliária e como vendia terras paradisíacas aos colegas do cinema, o filme contando sua trajetória até ali seria excelente propaganda para seus negócios.
Joan Lowell, Janet Gaynor e os maridos de ambas, o Capitão e Adrian. Adrian, figurinista favorito de Joan Crawford, e Gaynor ficaram longe dos rumores a cerca da sexualidade do casal durante a estadia no Brasil / Foto: Revista Manchete)
Só a publicação do livro Terra Prometida já havia atraído muitos astros e estrelas a Anápolis (Goiás), como a ganhadora do Oscar Janet Gaynor e o marido Adrian. O discreto interior de Goiás passou a ser alvo das celebridades como Cary Grant e Claudette Colbert, que preferiam a tranquilidade ao invés da agitação da então capital Rio de Janeiro.

Bem, Ruth de Souza estava certa! O filme jamais saiu do papel e Joan Crawford nunca filmou nada aqui no Brasil nem trabalhou com Ruth de Souza.

Dois anos depois, 1955, Joan Lowell explicou a mesma Revista Manchete o motivo do projeto ter fracassado. Estava tudo certo com estúdio americano, Joan Crawford seria a estrela, mas, uma lei brasileira (que a revista diz que ninguém ouviu falar), exige que um argumento para um filme brasileiro tenha que ser de roteirista nato.

Acreditava que os problemas eram passageiros e que o filme ainda sairia. Sua exigência era que se fosse ver sua história na tela que fosse realista, sem índios ferozes, onças bravas ou cobras, coisas que os americanos insistem.
Joan Lowell no portão de sua fazendo em Goiás / Reprodução G1
“Eu gosto demais do Brasil para mentir e deturpar a verdade brasileira” garantiu afirmando que o sucesso do seu livro havia sido exatamente este, nada mais do que o que viu e sofreu ao cruzar sozinha a BR-010 (hoje Belém-Brasília) na metade da década de 30. Joan Lowell (ou Dona Joana) faleceu no Distrito Federal em 1967, aos 61 anos de idade.

Por mais apetitosa que a história de Terra Prometida pareça, até hoje, 2019, ela jamais foi adaptada ao cinema. O livro caiu em esquecimento e sua autora Joan Lowel é considerada pelo Los Angeles Times como a avó das biografias fakes por seu primeiro livro (que narrava seus dramas familiares na infância, lançado enquanto ainda era famosa como atriz, antes de vir ao Brasil), ter sido desmascarado como pura fantasia após denuncias de vizinhos e investigações bem básicas da imprensa.

0 comentários:

Postar um comentário

Antes de comentar, por favor, tenha consciência de que este espaço é disponibilizado para a sua livre opinião sobre o post que você deve ter lido antes.

Opiniões de terceiros não representam necessariamente a do proprietário do blog. Reserva-se o direito de excluir comentários ofensivos, preconceituosos, caluniosos ou publicitários.