quinta-feira, 23 de julho de 2015

5 heresias cinematográficas no You Tube


Não há quem ainda se espante com a reciclagem, remakes e oportunismo ou o que quer que seja com um filme de sucesso. Desde que o cinema é cinema isso acontece e apenas em raríssimas vezes a obra original é maculada.

Listei cinco ocorrências bem bizarras encontráveis no You Tube. Deve existir mais por lá, sem dúvida, aquilo lá é um poço sem fundo pra filme B.

Os Pássaros 2 (The Birds II: Land´s End, 1994 de Rick Rosenthal)


A década de 90 foi bastante cruel para Hithcock. Se na década passada produtores espertões lucraram algum ao transformar Norman Bates numa espécie de Jason Voorhees nas sequencias de Psicose, por que não tirar um caldinho de Os Pássaros?

Tippi Hedren, a estrela do primeiro é a única relação forte aqui. Ela topou uma ponta em outro personagem e depois se disse constrangida, tadinha.

A cópia no YouTube está em inglês sem legendas.

O Iluminado (The Shining, 1997 de Mick Garris)

Se dizendo insatisfeito com a falta de fidelidade da versão de seu livro dirigido em 1981 por Kubrick, o próprio Stephen King escreveu o roteiro desta minissérie para TV. Não era um autor novato em adaptações pra saber que livros são livros e filmes são filmes.

Longas horas (QUATROS HORAS e tralalá pra ser mais específico) de muito draminha classe média e pouquíssimo terror. Ainda há uns efeitos digitais bem primários.

No YouTube a cópia está com boa qualidade dublada em português. Foi distribuída no Brasil em VHS na época pela Warner, com um trailer incluído na fita de Marte Ataca! (Mars Attack!, 1996 de Tim Burton).

O Que Terá Acontecido a Baby Jane? (What Ever Happened to Baby Jane?, 1991 de David Greene)

As irmãs Redgrave Lynn e Vanessa toparam esse momento vergonhoso da TV. Absurda falta de noção, não acha nenhum motivo de existir desprendido da época e pessoas envolvidas no trabalho de 1962.

No YouTube é uma cópia da TV (foi exibido na TV do Bispo) com qualidade relativa. Choca ler alguns comentários de quem acha que este é o filme fabuloso de Robert Aldrich.

Casablanca colorizado (Casablanca, 1942 de Michael Curtiz) – Trecho.

A polêmica versão deste clássico colorizado foi muito discutida na década de 80. Foi fruto da compra de um pacotão de clássicos pelo magnata Ted Turner.

Sabemos que a cor acrescentada por computador ainda tem o motivo de não deixar os direitos autorais vencer. Além, claro, gerar interesse para gerações não acostumadas ao fabuloso B&W.

Em 2013 a TV Cultura exibiu Laura (1942 de Otto Premiger) colorizado. Ou seja, o recurso continua sendo feito, o que no caso de cinema noir tem o agravante de desrespeitar uma opção estética de seus realizadores.

 O trecho de Casablanca no You Tube ainda é interessante pela dublagem antiga que se ouvia na TV. 

Metrópolis (Metropolis, 1927 de Fritz Lang) – Anúncio versão musicada por Giorgio Moroder

Desde o seu lançamento, quase 90 anos atrás, ele sempre foi mutilado. Na década de 80 o músico Giorgio Moroder (com a participação de Freddy Mercury) musicou com rock e eletrônico uma condensação de 80 minutos.

O anúncio do DVD e Blu-Ray pela Rhino fala em 1986, mas foi 1984. Por muito tempo existia no Brasil, distribuído em VHS pela Continental, apenas esta versão da obra prima de Lang, o que irritava profundamente.

Para assistir tirávamos a cor da imagem (ele recebeu tonalidades coloridas e alguns efeitos digitais ultrapassados) e colocávamos um CD menos extravagante. Hoje, com longas versões mais próximas do original disponíveis, esta versão tem seu charme, mas não deixa de ser bizarra.

1 comentários:

Anônimo disse...

Novos posts!!! Bacana!!!

Related Posts with Thumbnails