segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Quando a segunda vez é mais difícil

Cinema parece ser a arte onde a primeira vez é mais fácil. Pelo menos listamos sem dificuldade gente que alcançou grande sucesso de crítica e público logo no filme de estreia.

Continuar com o mesmo gás é que são elas. Até Billy Wilder, um dos maiores cineastas que o mundo já conheceu confessa ter dado uma tremida com Cinco Covas No Egito (Five Graves to Cairo, 1943), segundo longa.

Leia a seguir as palavras do próprio, retiradas da biografia Billy Wilder e O Resto É Loucura, sobre a arriscada segunda tentativa:

“Naturalmente, também no meu segundo filme me caguei todo. O segundo filme é o mais difícil, porque é preciso mostrar que o primeiro não foi bom por puro acaso. A gente fica sob pressão de mostrar capacidade. É a mesma coisa que um homem que tem coragem de pular do terceiro andar de um prédio. Alguém vem e diz ao sobrevivente: ‘Agora pule do sexto andar. Certamente isso você não conseguirá fazer!’, e ele diz: ‘É claro que consigo!’. Ele pula e morre.”

Wilder pulou, não morreu e ainda fez dezenas de outros filmes. A boa maioria deles nada menos do que obras-primas.

[Ouvindo: Hotel P.L.M. – Astor Piazzolla]

4 comentários:

Pri[s] disse...

Acho que esse fenômeno acontece em outras artes também: o segundo álbum, a segunda peça...

Quando o primeiro é bom, o segundo tem que ser ainda melhor. Que pressão!

PS: vida longa ao la dolce vita!! =D

Miguel Andrade disse...

Pris, sim! Mas eu só reparo ao cinema. haha! :D

Pri[s] disse...

Você é um daqueles que dizem " Vá ao teatro... Mas não me chame!"? hauhaauhaau

(Tenho uma amigo - cinéfilo e estudante de cinema - que tem uma blusa com esses dizeres!)

Miguel Andrade disse...

Pris, olha que eu poderia dizer. rs

Related Posts with Thumbnails