sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

A primeira encarnação da Globo Vídeo

Globo Vídeo foi um caso raro entre as empresas do grupo. Um dos poucos a não comercializar produtos pro populacho com verniz de qualidade técnica.

O milagre foi por circunstâncias do mercado durante a febre do VHS da segunda metade dos anos 80, início dos 90. Cada major de Hollywood firmou contrato com distribuidoras locais (MGM com PlayArt, Fox e Diney com Abril, Universal com CIC, etc.).

À Globo restaram produção própria da TV e filmes independentes americanos e europeus. O primeiro Almodóvar a ser comercializado aqui (Mujeres al borde de un ataque de nervios, 1988) era dela.

Pelo gosto refinado do brasileiro, evidente que não durou muito. Por anos seus títulos viraram raridades a serem garimpadas em locadoras que vendiam seu acervo.

Só ressurgiu na era do DVD em parceria com seu braço fonográfico Som Livre. Outros 500, com os estúdios hollywoodianos vendendo por si seus filmes e o mercado de venda direta (sell thru) já estabelecido no país.

Ainda sobre VHS, deu até gastura um detalhe no screenshot. Os mais novos não devem saber do que se trata aquele SP abaixo do Play.

Nada com São Paulo, ahá! Videocassetes podiam gravar em três velocidades: SP, LP e EP, sendo que a SP era a normal em que as fitas originais eram copiadas.

A fita comum só cabia duas horas de gravações e a imagem ficava melhorzinha. LP rendia 4 horas e EP incríveis 6!!!

Claro que a qualidade da imagem e áudio ia ficando podre. Só que fita de vídeo virgem era coisa cara, não só para quem sempre foi duro, mas comparando a DVD-R de hoje, eram absurdamente dispendiosas.

Então, conhecidos “papa fita virgem” como este que vos escreve, sofriam uma tremenda tentação pra gravar em EP... A gente só se arrependia mais tarde, quando o desgaste natural da fita magnética fazia com que a imagem fosse ficando cada vez pior e inaudível.

Maldito VHS! Não éramos nada felizes... E sabíamos disso!

[Ouvindo: Tu fais partie du passé – Zouzou]

16 comentários:

Too-Tsie disse...

Naquela época, para "copiar" um filme era um sacrifício danado, levar o videocassete na casa do colega, fazer a "chupeta" de cabos, todo um processo.

Mas eu devo ter deixado pelo menos 2 locadoras ricas, eu alugava em média 2 filmes quase todos os dias.

Isso eu digo no começo do VHS, nos anos 80 ainda, eu lembro que o primeiro que apareceu em casa, foi fruto de consórcio.

Miguel Andrade disse...

Too-Tsie, puta trampo e ficava cagado! Hahaha

Que tempos. Tudo era um sacrifício.

Molecada tem tudo a mão hoje e fica aí, baixando lixo.

O meu também foi fruto de consórcio! E enriqueci algumas locadoras...

Igres Leandro disse...

Lembro que, quando eu era pequeno, meu sonho era ter um videocassete. Quando ganhei um, gravava tudo em EP. Ficava horrível mesmo, mas eu me orgulhava de ter 3 filmes na mesma fita VHS. Quando enjoava deles, passava uma fitinha durex naquela trava que às vezes era quebrada e gravava por cima. Sempre deixava uns trechinhos de comercial gravados por falta de prática. Depois, comecei a usar as fitas que vinham nos produtos que minha mãe compra, tipo geringonça pra fazer abdominal, geladeira, batedeira. Pena que, a maioria dessas fitas tinha pobres 20 minutos. Pelo menos servia pra um episódio de Power Rangers...

Miguel Andrade disse...

Igres, bem lembrado! O truque do durex na travinha quebrada. hahaha

Pior que tem gente que ainda grava filmes em DVD com perda de qualidade pra fazer a mídia render... Como assim?

Eu grava comerciais, jornalismo, primeiro e último capítulo de novela, e os clássicos nas madrugadas da Globo. ficava atento na programação do jornal.

Era o melhor canal para gravar. Dava pra voltar a fita e dar rec/pause certinho no fade de alguns segundos antes do plim-plim. Quando o filme ia voltar do intervalo, por padrão ela exibia uma chamada de algum programa seu.

Era a senha pra soltar o pause no momento certo.

As vezes dava cagada e era um sofrimento ter errado! Hahahaha

De gravar por cima, eu desgravei toda a filmoteca da Folha. Filmes ruins, com péssima copiagem.

Leo disse...

Nossa, minha alegria era quando eu podia comprar uma fita virgem junto com as compras quando ia ao supermercado com meu pai.

Gravação em videocassete era a treva. Eu lembro d uns curta-metragens caseiros q eu fiz e editei usando dois videocassetes em casa, coisa pavorosa e como dava trabalho.

Miguel Andrade disse...

Leo, editar com 2 vídeos era a treva da treva. Ficava super podre..

DAVI VALLERIO disse...

Mas o videocassete de vcs tinham 4 cabeças?

Glauco disse...

Miguel, a Globo Vídeo tinha muita coisa boa no catálogo, e também lançou muitos filmes nacionais, Atlântida, Vera Cruz, Glauber Rocha, Mazzaropi, etc. Um amigo do meu pai trabalhava na Globo Vídeo, por isso, lá em casa tínha algumas "fitas seladas", Doida Demais com a Vera Fischer era uma que eu assistia escondido quando miúdo.

Calabouço do Andróide disse...

Eu ia começar falando bons tempos, mas na verdade, não eram!
No início eu só tinha 4 fitas, q gravava e regravava infinitamente. Putz, se arrependimento matasse... a quantidade de coisas legais q eu apaguei pra gravar por cima não ta no gibi.
E até hoje, estou com mais de 150 fitas com documentários, desenhos e filmes raros, pra passar pra DVD, mas a preguiça não deixa.

Miguel Andrade disse...

DAVI, o meu tinha 4 cabeças! Um luxo... :D

Glauco, sim! Ao contrário das outras que lançaram pornochanchadas casca grossa pra cumprir a lei de cota nacional, a Globo Video tinha estes clássicos em catálogo.

Calabouço, preciso ter como converter as minhas. E não eram bons tempos mesmo!

VHS já foi tarde.

BLOB disse...

E alguém aí se lembra do Betamax??

Miguel Andrade disse...

Blob, não cheguei a ver a comercialização da Betamax.

Uma pena o Brasil ter adotado o formato VHS, mais em conta, mas com qualidade tão inferior.

BLOB disse...

Uma merda, a cada aparelho de Beta tinha uns 100 vhs. Eu era garoto e me lembro do coitado do meu primo que tinha um Beta, o infeliz tinha que pegar um busão e ir até outra cidade só para locar as fitas Betas! Já que locadora para tal era mais raro que petróleo!!!

Miguel Andrade disse...

Blob, coitado do primo que tinha Beta! Hahahah

Só tive com fita Betamax nas mãos na década de 90, num sebo de SP.

Lucas disse...

Cara, peguei a época dos VHS quando criança! Gravava muita coisa como filmes, séries e desenhos nessas fitas! Era D+!

Miguel Andrade disse...

Lucas, e sobrou alguma coisa ou tudo embolorou?

Related Posts with Thumbnails