terça-feira, 28 de julho de 2009

Na cama com o Oscar


Sorry, periferia! É pras concorrentes se cortarem de inveja MESMO!

O recadinho da foto é que Joan Crawford ficou horas sendo fotografada e dando entrevistas ao telefone que caiu exausta. Em 1946, por Almas em Suplício (Mildred Pierce), ela finalmente levava seu (único) Oscar.

Além da sempre favorita Ingrid Bergman, competia com Gene Tierney em Amar Foi Minha Ruína (Leave Her to Heaven), uma das mais pérfidas e belas vilãs que o cinema já nos proporcionou. Páreo duríssimo inimaginável para as premiações atuais da Academia.

Tanto que Crawford, já então veterana, não estava presente à cerimônia. Com medo de ser derrotada alegou uma indisposição física.

Arrependida, chamou todos os órgãos de imprensa à sua mansão para agradecer o prêmio. O resultado são estas imagens, além de mais uma boa história a seu respeito.

Veja também:
Rainha do chilique
O poster mais eficaz de todos os tempos
Pepsi, vodka e duas pedras de gelo
O homem mais desejado de Hollywood


[Ouvindo: Lah Lah Ya S'habi – Bellemou & Benfissa]

4 comentários:

Carmen disse...

Qual será a simbologia das lâmpadas sobre a cama?

Miguel Andrade disse...

Carmen, são lâmpadas dos flashes!

Letícia disse...

a mais passada. mamãezinha querida haha

Miguel Andrade disse...

Letícia, doida de pedra! Hahaha

Related Posts with Thumbnails