sexta-feira, 23 de junho de 2017

O lar dos DiMaggio ontem e hoje

Muito abalada, Marilyn Monroe, na companhia de seu advogado, recebeu um turbilhão e jornalista à porta de casa em outubro de 1954. Alegando “crueldade mental”, anunciou o fim de seu casamento com a lenda do beisebol Joe DiMaggio apenas um ano e meio de união.
Imagem da época em que Marilyn morou ali
O endereço era uma acolhedora casa alugada em North Palm Drive em Beverly Hills, número 508, conforme estava bem legível nas fotos publicadas pela revista Life. O imóvel fez parte por período parte do turismo local, como tantos outros lares de celebridades.
Após 61 anos sua fachada continua praticamente idêntica. Isso, segundo o Google Street, que a registrou pela última vez em 2015, tão bucólica que nem de longe faz lembrar aqueles anos tumultuados da maior estrela que Hollywood já teve.

Hoje, claro, continua interessando a fãs de Marilyn, como por exemplo o blogueiro Dearly Departed Tours Hollywood. Ele teve naquela mesma porta 508, e claro, não pode deixar de se fotografar lá chateadíssimo.

Veja também:
Um poltergeist contra Katharine Hepburn
Mansão de Boogie Nights está à venda

terça-feira, 20 de junho de 2017

Preferências de Gilberto Braga nas suas novelas

 Explicar a importância de um autor de novela brasileiro para quem está com 20 anos, assim como para um gringo, pode ser difícil. Mas quem tem mais idade sabe que num período recente eles paravam o país escrevendo histórias rocambolescas na TV.

Gilberto Braga é um dos principais nomes, criador de uma galeria de personagens respeitáveis. Em especial suas vilãs, muito chiques à beira de um colapso conforme alterações no overnight (ok, isso também é algo bem antigo, né?).

O Canal Viva tem produzido uma série chamada Os Donos da História, onde cada episódio um autor relembra seus trabalhos. No episódio de GB temos algumas curiosidades como o fato de que sua escolha para Julia, a protagonista de Dancin Days (1978), ser Yoná Magalhães, mas teve que ficar com Sonia Braga, muito mais jovem do que imaginou.

Perguntado sobre qual sua vilã favorita, ele conta que é difícil escolher uma, mas das que Nathália Timberg fez, ele gosta bastante da Dona Idalina de A Força do Desejo (1999). A bruaca do Brasil colônia atazana a mocinha Ester, cortesã que ousou virar a cabeça de seu filho e neto.
"Foi à igreja afrontar Deus! Deus!!!"

De olhos fechados, a gente pensa em Gilberto Braga e logo lembra da implacável vilã Odete Roitman, a presidente da TCA. O autor conta que houve muita resistência a Vale Tudo (1988) quando apresentou a sinopse e a novela se tornou um dos maiores sucessos de todos os tempos.

Outra dificuldade foi convencer Daniel Filho a escalar Beatriz Segal para ser a Odete Roitman. Na época o principal nome da TV Globo na produção de novelas, Filho não via Segal como uma boa atriz.

Aliás, não vê. Gilberto Braga conta que ele, “muito teimoso”, continua insistindo que o que salvou ali foi o texto muito bom, não o trabalho da atriz.
Que tiro, Daniel! Que tiro!!!
Segal (fenomenal) havia trabalhado com maestria em pelo menos duas novelas de Gilberto Braga: Dancin Days, quando ainda se chamava Beatrix, e Água Viva (1981). Em ambas foi uma mãe da elite, super protetora, quase preqüels do que seria a “Dona Odete”.


 Ainda sobre suas preferências, sua novela favorita é Insensato Coração (2011)! Braga desafia que alguém lhe apresentem um capítulo que o faça sentir vergonha, ao contrário de Dancin Days e Vale Tudo, que segundo ele, o público só guarda coisas boas.

Para quem não lembra, Insensato Coração é aquela que teve Paolla Oliveira e Eriberto Leão como casal romântico às voltas com o vilão de Gabriel Braga Nunes. A série Os Donos Da História é exibida aos domingos ás 18h30, depois de irem ao ar os episódios ficam disponíveis no Net Now e serviços de streaming Globosat como o Viva Play.

Veja também:
Gilberto Braga e as Bibis
Figurinos repetidos e uma memória prodigiosa
Dancin’ Days: A atriz que não estava lá
Quando a maconha estreou no horário nobre
Valia tudo nos dias dançantes
Lídia Brondi sabia escolher as amizades
Vale Tudo sempre!

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Avó de Annabelle assombrou pesadelos dos seus pais

 No cinema de horror existe uma já longa tradição de bonecas diabólicas. Chucky e Annabelle talvez sejam os mais conhecidos no momento, mas antes deles existiu a Talk Tina.

A boneca apareceu pela primeira vez no episódio Living Doll (Boneca Viva) da série Além da Imaginação (Twilight Zone). Era o 126º episódio, quinta temporada, exibido pela primeira vez em 1963 nos EUA.
Na história, uma mãe chamada Annabelle (pois é!) compra a boneca do momento pra filhinha, o que desagrada seu marido (Telly Savalas, o Kojak, ainda com um pouco de cabelo). Talk Tina diz algumas frases fofas, menos pra ele, a quem deixa claro que não ama.

O mais legal é que na época existia à venda uma boneca chamada Chatty Cathy da Mattel que realmente falava. Seu comercial, assista no player abaixo, era, claro, assustador.

E a voz da Talk Tina foi feita pela mesma atriz que fez a voz da real Chatty Cathy! Então, calculamos o quão “creepy” realmente foi esse episódio.

É claro que a Talk Tina ainda não foi a primeira boneca encapetada. Um dos mais antigos é A Boneca do Diabo (The Devil-Doll) , dirigido por Tod Browning em 1936 com Lionel Barrymore travestido de velhinha diabólica.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Além da Anitta, outra estrela brasileira estourando lá fora!

Provavelmente o êxito internacional do brasileiro Andy Star não sairá em nenhum grande portal. Seu nome foi parar em pouquíssimo tempo no topo dos filmes adultos mais consumidos lá fora.

Andy Star já é bastante conhecido do público no nosso país ao participar de muitos vídeos de produtoras nacionais. Também havia dado as caras em produções gringas, mas daquelas rodadas aqui mesmo.

A vida deste canoense (RS) Anderson Alves (seu nome de batismo) é um exemplo de superação. Segundo entrevista ao site Músculo Duro (Rs), ele tinha cotidiano pacato num emprego comum até cair na net um vídeo íntimo que mudaria sua história.

Acabou perdendo o emprego, mas do limão fez a limonada! Morando no Rio de Janeiro assinou com uma produtora local, criando o personagem Andy Star, que pra ninguém ter dúvida de quem se trata, mandou tatuar bem grande em seu cóccix.
Agora residindo na Europa, Andy Star pipoca em vários trabalhos com as maiores produtores do mundo. Ele, evidente, não é o primeiro brasileirinho a conquistar o feito, mas é um dos poucos a ter seu nome em evidencia.

O estrangeiro que procurar seu nome no Google, pode chegar ao seu homônimo, um cantor pop da década de 70 muito conhecido nos Países Baixos. Ouça o hit Melaine no player abaixo para entrar no clima.

É claro que o susto de verdade acontecerá se um saudoso fã do Andy Star cantor chegar até o Andy Star brasileiro. Mas, como aprendemos no capítulo de hoje, não há o que não se super nesta vida.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

20 anos de Homer’s Phobia

Agora não significa lá muita coisa um episódio de seriado famoso tratando sobre homossexualidade, duas décadas atrás, claro, foi preciso muita ousadia para a popular Os Simpsons. Em 1997 foi ao ar pela primeira vez Homer’s Phobia, o 168° episódio do desenho.

Outa coisa defasada: Participação do "Papa do Trash" John Waters em cartoon. Como você já viu aqui no blog, hoje ele já emprestou sua voz parara vários, inclusive do Mickey.

O cineasta de Pink Flamingos (1972) e Hairspray (1988) conversou com o IGN rapidamente sobre a data. Assista no player abaixo, em inglês, sem legendas.

Conhecido por filmes bem distantes do que pode ser considerado infantil, ele diz que após os Simpsons passou a ser reconhecido por crianças nos aeroportos que queriam lhe abraçar. O que lhe deixava nervoso, poderiam interpretar mal por ter “aparência de pedófilo”.

A série já estava em sua oitava temporada e várias celebridades já haviam feito participações especiais. John Waters teria dito á época que se Elizabeth Taylor fez, então aquilo era bom o suficiente pra ele.
Na primeira leitura do roteiro ele pediu para trocar apenas a palavra pejorativa “fag” para “queer”. Fora isso, em nenhum momento sua presença pareceu ser problema para os sensores da Fox, que tentaram banir o episódio pelo tema homossexualidade.

Homer’s Phobia ficou fora da distribuição em VHS do programa, mas está incluído no box em DVD e Blu-Ray normalmente. Tanto este episódio com John Waters quanto o que satiriza Arquivo X com Gillian Anderson e David Duchovny, fazem desta temporada um item que merece o título de “edição de colecionador”.
Capa do box e detalhe do guia de episódios da 8ª temporada de Os Simpsons em DVD no Brasil
 Alguns país ainda não exibem Homer’s Phobia, e em algumas transmissões nos EUA eles suprem a sequencia em que John Waters fala que tem no banheiro uma cortina de milho igual a estampa que Marge usa na cozinha. Claro que tem que ter a cabeça bem desenvolvida pra entender que é uma piada escatológica.

Além do tema da Homossexualidade , o episódio ainda é uma ode á cultura camp/kitsh. Não fica de fora nem a morte da estrela 30’s Lupe Vélez, aquela que teria cometido suicido com a  cabeça dentro da privada.

Veja também:
Todos os desenhos animados com John Waters
Controversa morte de Lupe Vélez
Programação 90's da Fox segundo Os Simpsons

Simpsons e James Bond se encontram no Brasil
Aquele episódio em que Mulder aparece de Speedo vermelha
Related Posts with Thumbnails