terça-feira, 15 de março de 2016

Estranha trajetória de Orson Welles

Orson Welles tinha apenas 22 anos quando foi capa da conceituada Time em 1938. Caracterizado de velhinho para uma de suas adaptações de Bernard Shaw, o moleque já tinha conquistado muito mais do que alguns passarão a vida tentando.

Estava com 23 quando provocou pânico narrando no rádio A Guerra dos Mundos de H.G.Wells. Até o mais isolado dos norte americanos passaram a conhecer seu nome, tamanha repercussão do que muitos acreditaram ser real.

Aos 25 anos dirigiu nada menos que Cidadão Kane (Citizen Kane, 1941), a obra máxima do cinema para muitos críticos. Tornou-se instantaneamente o principal candidato a gênio máximo das artes.

Ruy Castro comenta em seu livro Saudade do século 20 que isso tudo era pouco. Quem conheceu a criança Orson Welles considerava o adulto Orson Welles um tremendo fiasco.

Morreu em 1985 aos 70 anos e na época era possível que desavisados estranhassem a noticia: “Ele já não estava morto?”. Nem de longe poderia lembrar o rapaz auspicioso que havia sido.


Naquela altura ressurgia de vez enquanto na TV e revistas em anúncios de charuto e bebidas alcoólicas.  Também podia ser visto em pequenas participações em filmes de gente que, ainda segundo Castro, se não fosse Welles estariam vendendo picolé na esquina.

Fracassou? Literalmente muito pelo contrário. Tão gênio que inverteu a ordem da ascensão à glória.

Veja também:
Então rosebud era o trenó?
Aplausos para a destemida Rita!

1 comentários:

Daniel disse...

Seu blog é excelente! Estou adorando todos os posts.

Related Posts with Thumbnails