quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Dueños del Paraíso entrega o que promete: armas, tequila e sangue

Uma dica para quem está enjoado de tudo de dramaturgia na TV: Super séries latinas do canal norte-americano Teleuno! Super séries são menores que uma novela e maiores que uma minissérie, mas as diferenças vão além disso.

Co produzida com um canal chileno, Dueños del Paraíso (2015) segue uma tendência deles de ambientar histórias no submundo do narco tráfico. O maior êxito do tipo foi La Reina Del Sur (2011), não à-toa que “Dueños” possui a mesma atriz protagonista, Kate Del Castillo.

Sabe aquele fundamento sacro de novelas que diz que mocinha é aquela garota ingênua pobre de marré que sofre o diabo nas mãos dos ricos e poderosos até rolar o happy end? Não existe aqui!

Del Castillo é Anastasia Cardona, esposa jovem de um traficante internacional. Em seu aniversário logo no primeiro capítulo, cercada por mariachis e tudo mais, a festa é invadida pela facção rival que abre fogo contra todos, terminando num banho de sangue.

O marido escapa fugindo pra Miami deixando a esposa pra trás, depois a chama aos EUA pra servir de mula. Assim ela vai percebendo que a gaiola dourada em que vivia não era tão dourada assim.

Algumas trapaças e humilhações depois ela dá um tiro na cara do marido! Despista o crime mandando comparsas jogarem o cadáver n mansão deles de cima de um helicóptero, como se ele tivesse sido vítima de algum rival.
No dia do velório se confessa com o padre: “Matei o único homem que já amei na vida... E estou pouco me lixando! Kkkkkkk!!!!”. Opa! Logo depois a facção rival invade o velório para roubar o caixão.

A ideia é jogar Anastasia e o caixão para os crocodilos comerem. Claro que ela consegue se desamarrar e escapar boiando no caixão do finado.
Com sangue nos olhos a mocinha quer vingança do rival além de virar a traficante máxima de Miami vendendo “asas de mariposa” a cocaína 97% pura. Doa a quem doer e muitos vezes ela faz umas coisas que... “amiga, não tem como te defender!”.

"Tenho valor não tenho piedade. Com ferro, tequila e sangue seremos donos do paraíso" diz o empolgante rap tema de abertura que descreve bem Anastasia Cardona. Não que não haja espaço para o mais cristalino melodrama latino americano.

“Dueños” transcorre no final da década de 70, mesma Miami violenta de Scarface (1983) de Brian de Palma. A reconstituição de época demora a engrenar, mas uns 15 capítulos depois fica aceitável.

Paralelamente há a história da família tradicional chilena que migra a Miami. A princípio são apenas esses dois núcleos, a família (chata) e a trajetória de Anastácia, que geram outros conforme se desenvolvem nos capítulos e depois se cruzam.

Não há núcleo cômico, núcleo pobre, núcleo sei lá das quantas, como as novelas brasileiras estão engessadas. Dueños del Paraíso tem um visual semelhante ao que é feito aqui, com muitas cenas externas, cuidados com luz e não com o que estamos acostumados a ver da mexicana Televisa exibidas no SBT.
Teleuno também teve algumas parcerias com a TV Globo, o que pode explicar esse capricho cênico. Capricho que vai até a página 2, já que vaza com frequência sombra de microfone, equipe técnica nos carros, etc.

É bom não comparar e se divertir como um outro produto que é. Eles não temem entreter! São fabulosos nisso, e fugas, catfights, tiros, explosões, twists mirabolantes sem o menor pudor em ser popular...

O elenco (todo muito bonito) é internacional e eles se referem à nacionalidade dos atores que coincide com a dos personagens: chileno, mexicano, venezuelano, colombiano. Pra gente não faz a menor diferença, o sotaque parece ser o mesmo aos nossos ouvidos.
Entre eles há a mexicana Adriana Barraza (a direita) de Arraste-me para o Inferno (Drag Me To Hell, 2009 de Sam Raimi) e indicada ao Oscar em 2006 por Babel (de Alejandro González Iñárritu). Ela é Irene, mãe da protagonista (e odiada por ela!), ex prostituta e alcoólatra, mas que as vezes é a mais lúcida.

Das subtramas muito interessante a da belíssima Érica, casada com um dos traficantes protagonistas, que sonha em ser atriz. Acaba caindo no conto de um produtor inescrupuloso de filmes pornográficos.

Ela filma “Sugar Lips” um filme que seria erótico, mas o diretor insere uma dublé de corpo e transforma o material em sexo explícito. O canal fez uma espécie de featuring (para a internet) fake muito divertido em que Ximena Duque respondendo a perguntas como sendo Erica, a atriz de “Sugar Lips” que você assiste no player abaixo ou clicando aqui.

A indústria pornô deu um salto naquela época ao servir de lavagem de dinheiro para o trafico. Interessantíssimo a trama incluir esse fator real ao cruzar as histórias de Erica e Anastasia e ainda discutir o uso de doble bodys, pornografia versus arte, planos, edição ao público médio.

Não se pode esquecer o vilão, ou opositor á mocinha, o chefão colombiano Leandro Quezada. Interpretado por Miguel Varoni (Conhecido no Brasil pela novela Pedro O Escamoso exibida na Rede TV!) é um fanfarrão desprezível e iconográfico, talvez o maior segredo de Anastasia ser tão maquiavélica e ainda assim consiga alguma empatia do telespectador!

E parece que latinos entendem bem o conceito da vida imitar a arte. A protagonista Kate Del Castillo (fantástica atriz, diga-se de passagem) está em todos os jornais, inclusive no Brasil, graças a um escândalo que envolve seu nome ao do super traficante Chapo.
Ela, que reside em Los Angeles, teria mediado o encontro de El Chapo com o ator Sean Penn. Escutas policiais também apontam várias mensagens com ele e seu advogado, o que indicaria que a marca de tequila lançada pela atriz estaria sendo usada para lavagem de dinheiro. UAU!!!

Dueños del Paraíso está disponível no Netflix Brasil. São 71 episódios legendados em português.

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails