sexta-feira, 5 de setembro de 2014

E Muriel completa Bodas de Porcelana!

 Faz 20 anos que aconteceu O Casamento de Muriel (Muriel's Wedding, 1994 de P.J. Hogan). Qual a importância que isso tem para o mundo? Provavelmente nenhuma...

Até porque o filme é bonitinho, adorável até, mas não inovou em nada. Não há, evidente, problema algum na competência em entreter e, portanto, ter marcado uma fase da vida de tanta gente que estava lá na primeira metade dos anos 90.

Conforme essa década vai se distanciando mais e mais vamos observando peculiaridades que na época não percebíamos tanto. No cinema a Austrália, levando em conta sucessos como o da sofrida Muriel, parecia que se empunharia com toda sua docilidade kitsch.

Na mesma época tivemos Priscilla, A Rainha do Deserto (The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert, 1994 de Stephan Elliott) esfregando na cara do maistream que o fenômeno drag era uma realidade. Assim como a persistência dos suecos Abba em angariar fãs.

A algazarra colorida australiana não demoraria muito nas telas. Logo Hollywood absorveria seus astros e técnicos, além de se transportar para aquele continente afim de contenção de gastos, o que, de certa forma minou as produções exclusivamente locais.

Fomos de extrema reverencia ao século XX que estava por acabar. Não ríamos com suspeita superioridade das modas e produtos culturais passados e consagramos os ícones com rótulos como “Cult”, ou no mínimo “trash” (essa última expressão já devia ter sido esquecida, sublinho).

Quem tinha virado gente nos anos 90 achava os 70 deliciosamente exóticos e muito distantes. Iam a clubes noturnos eufóricos por estarem de certa forma estarem revivendo os “dias dançantes”, voltaram a usar calças pantalonas e até havia uma sitcom na TV chamada “That ‘70s Show”.


Em 2014 estamos igualmente distantes dos 90, como os 90 estavam para os 70. E eu estranharia muito se surgisse agora uma sitcom chamada “That ‘90s Show”...

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails