terça-feira, 15 de outubro de 2013

Com a palavra, Vampira!

Na entrevista a seguir, Vampira (sim, VAMPIRA!) fala sobre seu tempo glorioso de sucesso nacional e dos amigos famosos que teve. Amigos e amantes, sendo que relembra até do toco que tomou do Marlon Brando e o pito que deu em Elvis por ser grosseiro com mulheres.

Importante resaltar que foi concedida em 1984 e publicada na revista Touch naquela época. Antes de seu nome ser resgatado graças à cinebiografia de Ed Wood dirigida por Tim Burton em 1994.

A partir dos anos 90 até seu falecimento em 2008, geralmente ela era chamada pra falar sobre cinema B. Nesta entrevista ela é a apresentadora de TV que foi muito famosa antes de embarcar no universo dos filmes de baixo orçamento.

O interesse principal aqui, como você perceberá lendo, é que Vampira foi muito além de Ed Wood! O trabalho com o "pior diretor de todos os tempos" foi apenas uma fase, embora seja lembrada na posteridade por esta fase.

Também é delicioso conhecer detalhes dos anos 50 por quem realmente viveu lá. A lista de celebridades que ela cita é grande, além de expressões antigas como "Beard Lady" (Moças que andavam com casais amigos gays para ajudá-los a despistar fofocas).

Agradeço ao blog Vivir en Tucson que a traduziu para o espanhol e gentilmente permitiu que fosse republicada aqui no La Dolce Vita em português com leves alterações nos links remissivos. Divirta-se!

 

Nós nos encontramos com ela em um pequeno restaurante em Hollywood. Vampira, ou  Maila Nurmi (seu nome real), se tornou uma sensação na década de cinquenta. Conhecida como apresentadora de TV, atriz e confidente de muitas estrelas como James Dean, Elvis Presley, Tab Hunter e Troy Donahue, agora atende pelo nome de Helen Heaven e é dona de uma loja de antiguidades. Ela também escreve contos e, ocasionalmente, faz um cameo. O último pode ser visto no independente População 1 (René Daalder, 1986). Nós conversamos com ela sobre Hollywood, o Dia das Bruxas e os horrores cotidianos. 

- O que assusta Vampira? 
- Este século... Os ratos, morcegos, noites, aquelas coisas de tempestade não me assustam. Você me assusta com os hospitais, com câmaras de tortura, coisas assim. 

- Qual foi o seu Halloween mais memorável? 
- Lembro-me de um... Eu vivia com o meu primeiro marido em uma sala sobre uma garagem em Laurel Canyon. Os vizinhos me chamavam Irmã São Francisco, porque acolhia qualquer animal abandonado que encontrava. Conhecia todas as crianças do bairro, e naquele Halloween decidi ter iam em suas sacolas uma Coca-Cola, uma maçã, um doce, um presente e cookies. Nós esculpimos abóboras para colocar nas janelas e nos vestimos... E ninguém veio. No ano seguinte eu enviei convites de festas para 276 pessoas. 

- O que fazia Vampira antes de ser famosa? 
- Eu trabalhei por muitos anos como atendente em uma loja. Eu ganhei um monte de dinheiro, era boa de vendas. Escrevia-me a muitos testes,onde conheci pessoas muito interessantes, como a bailarina Lily St. Cyr. Também fui show girl em um show de Earl Carroll. 

- Como você criou seu personagem? 
- Meu primeiro marido, o roteirista Dean Riesner, teve a ideia de criar um personagem sexy do tipo Charles Addams. Ele disse: "Nós temos que levar Homebodies à televisão ". Depois fui para um festa - Baile do Caribe, apresentado por Lesley Horton, que naquele ano foi realizada no Teatro Aquarius. Lá conheci Hunt Stromberg Jr. (diretor de programação para KABC-TV). Eu queria fazer um programa com Charles Addams, mas ele disse:. "Não, queremos você".  Então preparamos Vampira para dar-lhe um ar hollywoodiano: Nós adicionamos um toque Bizarre (revista), colocamos salto alto, unhas longas e arranhões sangrentos em seu peito. Combinamos sexo e morte, os dois fatores principais.

 - Foi divertido? 
- Foi muito divertido. Usávamos a criatividade e recebíamos dinheiro. Isso foi ótimo.

 - Como você escolheu o nome?
 - Eu fiz uma lista... Tinha muito nomes vitorianos, mas eles não eram muito bons. Meu marido veio com o nome Vampira. No começo eu descartei, parecia um nome demasiadamente pretensioso. Outro nome descartado foi "Creeponia". Finalmente fiquei com Vampira.

Tab Hunter e casal de amigos
 - Hollywood era um lugar muito interessante nesses dias? 
- Não era mais interessante do que hoje. Você já viu Morgan Fairchild? Eu amo essa mulher.

 - Agora vemos o Fifties como "os anos dourados." 
- Naquela época os "anos dourados" foram os anos trinta. Contemplávamos fascinados O Jardim de Alá (o hotel e complexo de apartamentos de propriedade de Alla Nazimova): Esse era o centro de tudo no trigésimo Jardin e Chateau (Marmont, o hotel). Todos os que vinham para a cidade queriam ficar no Chateau. 

–  Você conheceu Tab Hunter e Troy Donahue. Como eram eles naquela época? 
- Ambos são bons atores, embora as pessoas não saibam... Troy foi um bom amigo e Tab ficou lá em casa por um tempo... Até eu fui sua “beard lady”... Antes, quando duas pessoas saiam (e queriam ser discretas) levavam junto ao companheiro uma “beard lady”  para tudo parecer mais platônico. Naquela época Tab saía com Stephanie Zimbalist. Eles eram apenas amigos, mas Tab estava muito preocupado com o que foi dito sobre ele nas revistas, você sabe ... Ah, eu adoro Tab, é tão adorável. A Confidential (revista) colocou na capa que Tab era anti-americano. Ele teria contrabandeado mercadorias para o Partido Comunista Chinês. Que era um pervertido, um ser escuro. Todo tipo de insultos sobre ele.

 - O que você pode me dizer sobre Nick Adams ? 
- Ele era odioso, detestável. Um tipo de Sammy Glick. Se ele visse que você tinha sucesso, colocava seus tentáculos sobre você e depois já não se conseguia livrar. Exceto se você tornou-se um “has-been” . 

- Elvis Presley?
 - Eu lembro de que peguei em sua mão quando ele foi vaiado na saída do Frointier em Las Vegas, em 1956 ... Eu fui um grande apoio para ele no momento. Era um homem grande, belíssimo... Mas teve muitas falhas. Ele não sabia como tratar as mulheres. Uma vez vi que tratava mal uma menina na frente de todo o mundo. Mais tarde, em privado, reprovei a sua atitude. Isso o irritou no momento, mas depois de um tempo corrigido, agradeceu-me e disse-me que seu comportamento com essa menina (e comigo) não estava correto. 

- Você saiu com pessoas conhecidas. Alguma vez você já teve que rejeitar uma proposta? 
- Fernando Lamas me ligou um dia e me convidou para comer fora. Não me pareceu apropriado para aceitar o convite, porque, embora soubesse de suas intenções, ele era casado na época. Agora eu lamento não ter ido jantar com ele, era um homem encantador. E Vince Edwards estava interessado em mim uma vez, mas eu descobri anos mais tarde. Acho que o meu amigo (que Vincent perguntou de mim) foi um pouco ciumento. 

- Nem sempre tudo foi algo emocionante. 
- Exatamente. Lembro-me de uma vez. Marlon (Brando) estava na Europa, vivendo aventuras e planejando se casar com a filha de um pescador francês. E enquanto isso eu estava aqui, pensando em sua volta, no tempo que passamos juntos. Ele estava sempre no meu apartamento. Passei horas sentada ao lado do telefone esperando que sua ligação, mas o telefone nunca tocou. Fiquei inquieta, verificando se o telefone funcionava corretamente (risos) ... Eu não podia sair com qualquer pessoa em seis meses. Em todo esse tempo eu estava lá fora, com Jimmy Dean... Não, não o chamei para sair, nós éramos apenas bons amigos. 

- Por que você acha que James Dean foi atraído por você? 
- Jimmy adorava o glamour. Todos os seus amigos tinham uma imagem glamourosa, Eartha Kitt, Ursula Andress, Vampira. Ele estava apaixonado por Pier Angeli, mas ela o deixou plantado.

 - Voltemos aos vampiros. Parece que esteve ligada a eles toda a sua carreira. 
- Me especializei. Até pela minha estrutura óssea tão dramática. Primeiro interpretei um vampiro na Broadway em Spook Scandals. Howard Hawks me levou a Hollywood para participar de Dreadfull Hollow, um filme sobre vampiros em Hollywood. Nunca chegamos a fazer. 

- Então veio Vampira. Bastante sucesso em festas a fantasia de Halloween. 
- Lembro-me de um ano que cheguei a receber mais de duas centenas de telefonemas de pessoas perguntando como se vestir de Vampira para o Halloween. No estúdio, me disseram para ligar para casa de Zsa Zsa Gabor para contar a sua empregada como obter parecer a Vampira. Liguei para sua casa naquela noite, e atendeu seu mordomo. Ele disse (imitando sotaque arrogante): "Desculpe, não posso chamar Elizabeth. Ela está muito ocupada com os pedaços do vestido da senhora Gabor.".

 - Quem foi a pessoa mais extraordinária que conheceu em Hollywood durante esses anos? 
- A pessoa mais notável que conheci não era uma pessoa. Ele era um deus que andou entre nós por um tempo. Não acho que James Dean fosse humano. Todo nós somos almas, espíritos reencarnados. Mas ele era um deus. Ele veio aqui para que nós aprendêssemos com ele.

 - O que ele teria a ensinarmos? 
- Eu acho que ele veio aqui para ensinar os adolescentes, para dizer-lhes como se comportar com seus pais.

 - Ele era uma presença forte na tela grande. 
- Eu me lembro dele enquanto se preparava para o seu papel no Assim Caminha A Humanidade (Giant). Ele raspou parte da cabeça, simulando a calvície. Andou por toda parte agachado como um homem velho. Vestia-se com roupas esfarrapadas. Quando as pessoas o viram exclamaram: "Você já viu James Dean recentemente? Parece que está com 60 anos". Ele vivia cada dia como se fosse o seu personagem. (*) 

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails