quarta-feira, 20 de junho de 2012

Os vivos e os mortos

A adorável noiva do Monstro de Frankenstein sendo utilizada em estampas de camiseta da marca gringa Fright Rags. Com tiragem limitada, parte da renda foi destinada a ongs que combatem o câncer de mama.

O slogan da campanha foi "We Belong Alive", algo como “Nós pertencemos à vida”. Referência à frase “"We belong dead!", dita por Boris Karloff na obra máxima A Noiva do Frankenstein (Bride of Frankenstein, 1935 de James Whale).

Outra citação clara é a capa da revista Rolling Stone de 1993 com a Janet Jackson. Do tempo em que capas de revista ainda causavam buchicho e a caçula dos Jacksons era uma das maiores promessas da música pop .

Falando nessa imagem específica, no Brasil tivemos uma tardia versão com a Cinderela Baianinha Carla Perez na Playboy. Relembre clicando aqui.

A campanha das camisetas já não existe mais, mas fica aí a boa ideia para conscientização e arrecadação de fundos. Não deve ser difícil convencer alguém (inclusive a comprar) algo tendo uma ilustração assim.

[Ouvindo: Amor, Meu Grande Amor – Ângela Rô Rô]

6 comentários:

Refer disse...

Comentário atravessado, pra variar — mas tem a ver, principalmente com a foto da J. Jackson. Recentemente tive o desprazer de, pela primeira vez, tocar um seio 'de silicone'. Foi como pôr a mão numa bola de plástico rígido. A consistência natural da pele e do músculo sob a pele, desaparece. Broxante. Horrível. Confirmei o que eu já desconfiava: as mulheres são loucas.

Miguel Andrade disse...

Refer, só agora?!?!?!

Sabe o que me dá aflição? Quando elas colocam ficam com mania de querer abraçar forte... :-/

Leticia disse...

Agora prolongo uma filosofia Ronnie Von: as mulheres se fazem pra si e para homens que gostam de mulheres que se fazem pra si.

Estou velha e cada vez menos entendo os silicones, os botox, as depilações radicais, as tinturas e a maquiagem em excesso pra esconder coisas.

Miguel Andrade disse...

Letícia, si! Somos dois... E o essencial cada vez mais relegados ao segundo plano.

Mesmo em épocas de internet, quando deveria prevalecer as melhores ideias.

Continua sendo o físico. Ou melhor, um punhadinho de pixels.

Leticia disse...

E pior, a cultura do exagero, das formas caricaturadas, músculos em excesso, peitos fellinianos.

Só pode ser insegurança se.xual. Só pode ser.

Miguel Andrade disse...

Letícia, cada vez mais caricatos!

Related Posts with Thumbnails