segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

10 fitas que John Waters desejou ter em casa


O texto abaixo foi publicado originalmente em 1981 na revista American Film. Na febre do VHS, quando virou moda colecionar filmes em vídeo, perguntaram ao cineasta John Waters quais filmes gostaria de ter em casa.

A resposta, como era de se esperar, foi ótima. Pode estar datada, mas além de saber sua opinião sobre alguns títulos, ainda dá pra sacar como o novo hábito colecionista (tão difundido hoje) foi encarado naquele tempo.

No final ele fala do sonho em dirigir Pia Zadora. Conseguiu concretizar em 1988, dando-lhe o papel de beatnik em Hairspay.

Quando fala de “a versão recente de A Vingança de Jennifer”, tenha em mente que se refere a I Spit on Your Grave produzido em 1978, não a terceira versão de 2010. Que aliás, foi chamada no Brasil de A Doce Vingança.

Traduzi daquele jeitinho, mas creio que ficou compreensível. Os nomes dos filmes sem versão aqui foram preservados.


--- xXx ---


Quando o American Film me pediu para fazer um artigo sobre "Dez VHS que eu gostaria de possuir" tive que admitir que nem sequer uma dessas máquinas eu tenho. E, para ser honesto, não tenho certeza de que quero uma. Vídeo me deixa nervoso. É muito trendy. E isso me faz lembrar de Pac-Man e esses jogos horríveis. Percebo que devo soar como um careta da era do cinema mudo que viu pela primeira vez um sonoro e disse: "Bah! Isso nunca vai funcionar", mas acho que se você estiver em casa, você deveria ler. Se você quiser assistir alguma coisa, você deve sair.

Eu gosto de pagar para ir ao cinema. Chego ao cinema cedo para que possa ver se a exibição anterior estava lotada. Eu leio cada palavra do que foi dito sobre o filme para sentir bastante confiança a entregar meus quatro dórlares à indústria do cinema.Eu me sinto como um detetive, quando entrego meu ingresso ao lanterninha e fico observando certeza se ele rasga e me entrega de volta o canhoto com o serial. Assim sei que ele não está roubando o cinema.

Eu gosto de comprar jujubas obsoleto, ler a pichação nas paredes dos banheiros, e assistir aos trailers. Eu até me sinto com d ever cívico fumando no cinema para o porteiro diz me botar para fora. Sei que estou criado um trabalho muito necessário para a nossa juventude desempregada. Eu até gosto de sair 10 minutos antes se eu não gosto do filme, e pesso meu dinheiro de volta, porque eu saí de casa para experimentar o ritual de "ir ao cinema."

Não só não tenho um gravador de vídeo, mas até alguns anos atrás eu não tinha sequer um aparelho de televisão até um amigo me dar um de presente no Natal. Eu percebi que era um presente caro, mas eu não podia deixar de lembrar da Jane Wyman em Tudo O Que o Céu Permite (All That Heaven Allows), quando ela vê seu reflexo na própria tela. Eles não poderiam fazer os aparelhos de televisão e todos os aparelhos de vídeo "mais bonitos"! A decoração da sala de um amigo meu tem cortinas na tela da TV que abrem e fecham como um palco de teatro de marionetes.

Minha paranóia de vídeo vai ainda mais longe - eu estou realmente com medo d a luz horrível que vem da tela, especialmente se for a única iluminação no quarto. Faz todos na sala parecerem mais velhos, mais doentes, e menos inteligentes. Médicos estão estudão isto? Quero dizer, assistir a um vídeo por muito tempo pode causar perda de cabelo, impotência, ou, quem sabe, o câncer gay?

Devo admitir que eu sou um hipócrita completo sobre este assunto.Eu amo o fato de poder vender os direitos para o VHS de todos os meus filmes. Fico lisonjeado que as pessoas queiram possuir meus filmes. Um dos meus filmes ainda vai realmente arrasar nas vendas em vídeo. E se alguém me der um Betamax da Sony, irei usá-lo, porque eu preciso de outro hábito caro, assim como eu preciso de um buraco na cabeça. Eu provavelmente começarei a guardar fitas de vídeo chocantes. Não posso imaginar por que alguém iria comprar uma fita cassete ou trilha de um filme que poderia vê-lo na tela grande na companhia de outras pessoas, mas posso entender assistir a um filme em vídeo que raramente foi exibido ou que só poderia ser visto na televisão comercial mal editado e censurado. Transformado num filme neurótico. Eu também posso simpatizar com colecionadores que simplesmente devem assistir em uma fita apenas determinada cena repetidamente a fim de aliviar qualquer ansiedade que pode estar sofrendo.

Então aqui vai - as dez fitas que eu gostaria que alguém me desse:

01. Fita virgem
Uma vez que todos os que compram gravadores de TV tornam-se essencialmente piratas de filmes, acho que teria que me tornar um também.
Deixe-me dizer logo que eu sou contra isso.
Qualquer um poder fazer cópias ou alugar um filme em fita, como não sou um comunista, isso naturalmente me assusta. Mas se eu tenho uma dessas máquinas, o que mais eu poderia fazer com ela? Se o público em geral tiver acesso total a todos os filmes para assistir a qualquer hora que eles quiserem, haverá ainda algum mistério sobre o filme? Será que a magia desaparecerá?. Eu acho que é tarde demais para nos preocuparmos com isso, então eu quero uma fita virgem apenas pela emoção de roubar as redes de TV, seus patrocinadores, e todos os distribuidores de filmes. Infelizmente, há muito pouco na televisão que eu gostaria de assistir uma segunda vez, muito menos cópiar para ver de novo. Acho que o meu fascínio seria uma gravação de imagens de atrocidades na notícia, tentativas de assassinato, entrevistas com criminosos. Eu poderia, então, colocar pra rodar estas fitas sempre que estivessem dando uma festa, para que os convidados indesejados saissem rapidamente. Meus amigos de verdade e eu pudemos experimentar as qualidades verdadeiramente bizarras de notícias como entretenimento.

02. O Mágico de Oz
Sim, sim, sim. Eu sei que é reprisado na televisão todo ano, mas uma versão em cassete seria a chance do elenco se livrar dos comerciais horríveis. É um dos poucos filmes que eu poderia assistir muitas e muitas vezes e não ficar entediado. Bem, nem todos, mas alguns segmentos são muito especiais para mim. A cena tornado, em minha mente, é a cena mais erótica jamais filmada. Por que, eu não sei, mas diante dos olhos de Dorothy o vento rasgando as dobradiças do portão, invariavelmente, me faz sentir como ser convidado a um encontro. Qualquer cena com a Bruxa Malvada do Oeste eu assistiria repetidamente até que, meus vizinhos chamarem a polícia reclamando de ter que ouvi-las tantas vezes. Especialmente a cena em que ela escreve com sua vassoura no céu da Cidade das Esmeraldas: "Renda-se Dorothy". Iria tirar o fôlego de qualquer um que eu estivesse discutindo se pudesse transmitir uma mensagem da mesma forma.

03. O Massacre da Serra Elétrica
O mais assustador filme já feito e o maior sucesso nas festas de aniversário do filho de um amigo. Se o diretor Tobe Hooper pudesse ver todos os pequenos de nove anos de idade em vestidos com bonitas roupinhas e chapéus de aniversário correndo pela sala gritando de terror como aparece no filme ele voltar a fazer o que de melhor fez - puro horror. Este ano eu selecionei The Corpse Grinders para as crianças e ficaram decepcionadas."Com certeza não foi tão bom quanto Serra Elétrica", reclamou uma delas. Nada poderia ser mais top do que Serra Elétrica em suas mentes ou na minha.

04. A Vingança de Jennifer (I Spit on Your Grave)
Não o filme original, hit do início dos anos sessenta, mas a versão nova e melhorada que deixou Roger Ebert e Gene Siskel com opiniões tão doidas que os exibidores de Chicago tiveram que tirá-lo de cartaz. Este filme, assim como Ilsa, She Wolf of the SS, Blood Sucking, Freaks, é tão odioso, tão violento e tão totalmente desprovido de valor social que é impossível de ser defendido. Viola tantos os tabus que faz com que censores locais e mulheres que lutam contra a pornografia tenham realmente com o que uivar. Estrelado por Camille Keaton (sobrinha de Buster!), aparece quase totalmente nu o tempo todo. Sangrando muito enquanto ela é brutalmente estuprada por um bando de tontos e depois de recuperada sai para assassiná-los e castrar o líder (com as lâminas de um motor de popa). A maior acusação: retrata o estupro para excitar fantasias masculinas. O Esquadrão da Descência deve prestar atenção a cada pessoa que comprar uma cópia desta fita. Ele conseguiu ofender-me.

05. Amor Sem Fim (Endless Love)
Meu filme favorito de 1981 - uma hilariante comédia americana e totalmente intencional: o melhor tipo. Um digno sucessor de uma longa linhagem de bugios - O Outro Lado da Meia-Noite (The Other Side of Midnight), Mahogany, Once Is Not Enough, The Love Machine. Eu gostaria de ter esse filme porque ele vai ser cortado para a televisão, e você pode ter certeza que nunca vai ser reexibido nos cinema. Ele consegue dar a "camp" um mau sentido. Mesmo o público adolescente a que se destina riu assistindo. O filme é estrelado por minha modelo e atriz – transformada em atriz, Brooke Shields, e seu amor sem fim, Martin Hewitt. Mr. Hewitt, um ex-assistente de estacionamento, ganhou um concurso de caça de talentos ocorrido em todo o país pelo diretor Franco Zeffirelli. Não se pode julgar, mas pergunto como seriam os perdedores. Cena favorita: O pai da ativista social (Don Murray) trata a maconha na boca de sua mulher liberal (Shirley Knight) na festa de seu filho adolescente como se não tivesse ouvido a canção título. Você já ouviu Diana Ross cantá-la tantas vezes que você meio que espera pra ver quem está na vaga de convidado.Incrível. Um livro de primeira linha se transformou em um fedor de primeira linha.

6. Good Morning... and Goodbye!
"Você vai precisar de uma babá", rosnavam os anúncios para essa pouco conhecida obra-prima de Russ Meyer, um filme que contém talvez os diálogos mais hilariamente nojentos de qualquer de seus filmes. Escrito por um dos meus roteiristas favoritos, Jack Moran (Faster, Pussycat! Kill! Kill!). A estrtrela de Good Morning é Alaina Capri, a mais excitada de todas as regulares atrizes strippers, dançarinas, e top-heavy loucas de Meyer. Na cena mais memorável, senhorita Capri é tão agressiva com fome de homem, qualquer homem, que ela dirige totalmente nua sob um casaco de vison em um Cadillac conversível para um canteiro de obras, e se inclina sobre a buzina até que um dos homens grotescos aproxima-se dela. Também estrelado pelos Liv Ullmann e Max von Sydow do repertório Meyer, Haji e Stuart Lancaster. Stuart Lancaster interpreta um velho sujo com tanta convicção que você pode ouvi-lo salivando mesmo quando ele não está na tela. Haji, a mais versátil das mulheres Meyer, pode mudar de uma ninfa exóticas a uma vadia jogando canivete em um piscar de olhos. Na vida real Haji é a caçadora de talentos para Russ e é responsável por descobrir algumas de suas atrizes mais incrível - Tura Satana, Kitten Natividad, e Erica Gavin. Haji é a prova viva de que as mulheres Russ Meyer eram melhoreres do que sua tudo o que possa estar no Screen Actors Guild.

07. Fort Apache, The Bronx
Por uma única razão - O desempenho absolutamente incrível da atriz mais fenomenal trabalhalhando em Hollywood hoje: Pam Grier. Por que ela não foi indicada a um Oscar por este desempenho verdadeiramente assustador como uma prostituta anjo-empoeirda que afugenta os policiais e as fatias de johns com uma gilete escondida em sua boca está além de mim. Pam Grier pode levar classe para qualquer filme, mesmo aos incpntáveis explotations que estrelou. Quando ela se entrega, ela brilha mais do que qualquer Diane Keaton, Katharine Hepburn, ou Sissy Spacek no negócio.Todos os agentes de elenco devem possuir uma fita de vídeo do filme para ver o que estão perdendo.


08. El Paso Wrecking Co.
Estou convencido de que a principal razão para as pessoas estarem viciadas em máquinas de vídeo é que eles podem assistir a filmes sujos em casa sem correr o risco de ser visto entrando num cinema pornô. O sucesso do vídeo está diretamente ligada ao auto-abuso, uma vez que os menos aventureiros tendem a se afastar da prática em um cinema. Mas em casa, é uma história totalmente diferente. Uma vez que bons amigos invariavelmente acabam trocando histórias sujas juntos durante uma longa noite em ambientes fechados, é natural imaginar que coloquem uma fita realmente imunda. Eu escolheria El Paso Wrecking Co. de Joe Gage. Ele faz o melhor pornô que eu já vi - gay ou hetero, e já que quase todo mundo já viu pelo menos uma característica do hardcore heterossexual, eu escolheria um gay. Especialmente na sociedade de economia mista, porque iria acabar sendo mais uma parte de conversação. Os homens de Joe Gage são semelhantes às mulheres de Russ Meyer - ridiculamente dotados. Ele também é inteligente o suficiente para violar a regra de um pornô gay - ele sempre inclui mulheres e sexo heterossexual, por isso seus filmes são coisas para todos. Eu jamais tentarei imitá-lo, mas eu certamente o respeito como artesão acima da média.

09. Single Room Furnished
O único filme da Jayne Mansfield que nunca vi. Mesmo que seja horrível, eu gostaria de ter porque é quase impossível ver em qualquer outro lugar. Mesmo os Thalia em Nova York nunca o reexibe. Imagine a minha expectativa de ver a melhor estrela do mundo num autoconfesso "papel sério", interpretando não apenas um, mas três personagens (garçonete, prostituta. E adolescente), com uma peruca marrom ainda por cima! Este foi um dos últimos papéis de Jayne antes de sua morte, tremo só de pensar em quão desconcertante deve ser o desempenho como adolescente. Toda vez que eu ficasse deprimido ao ver o anúncio de outra nova obra-prima com Jill Clayburgh, eu colocaria esse filme na minha máquina e veria uma estrela de cinema de verdade trabalhando. Mesmo os fãs da "teoria do auteur" que não são Mansfield maníacos vêm algo de tesouro em Single Room Furnished: É um esforço inicial na direção de Matt Cimber, um dos últimos maridos de Jayne e diretor do hilário próximo Butterfly.

1O. Butterfly
Embora este filme ainda não esteja disponível em fita cassete, é uma aposta certa de que será em breve. Considerando-se a promoção que precedeu o lançamento nos cinemas, eu posso imaginar o anúncio da cassete acompanhado por um esquadrão de aviões zumbindo cada cidade norte-americana, puxando banners pelos céus com a foto de sua estrela, a grande Pia Zadora. Produzido e implacavelmente hypado pelo produtor-mentor-marido Rick Riklis, esta adaptação verdadeiramente inacreditável do romance de James M. Cain 's tem recebido alguns dos comentários mais gloriosamente maus na memória recente.
Pia Zadora é a minha estrela de cinema favorita de todos os tempos das duas últimas semanas. Apenas observando os lábios mexendo, tentando seduzir seu pai (Stacy Keach), vale a pena o preço de dez cassetes.
Pode-se com certeza dizer que Jayne, do seu túmulo, teria aprovado a direção de protejeto novo de Cimber. Pia ainda grita quando ela canta. Longe de mim sugerir que Pia Zadora é a nova Jayne Mansfield, mas é indiscutível que ela é a estrela mais agressivamente nova das fabricadas e comercializados desde os anos cinquenta. Embora Pia assustou a comunidade de Hollywood, ganhando o Globo de Ouro como Melhor Nova Estrela de 1981, ela na verdade fez sua estréia no cinema em Papai Noel Conquista Os marcianos (Santa Claus Conquers the Martians) com cerca de oito anos de idade. Com o amadurecimento virou uma versão sensual de Linda Blair. Senhorita Zadora, deusa, tornou-se porta-voz da Dubonnet, uma cantora, e agora, bem, uma estrela de cinema atuando junto a Orson Welles em seu novo filme. Orson Welles! Empalideço pensando na conta bancária ilimitada de seu marido. A própria Pia comentou ao Times de Londres "Rik disse hoje cedo que poderia gastar todo o dinheiro que temos e ele me deixaria saber, em tempo útil, quando não haveria mais nada." Eu espero e rezo para que Pia Zadora se torne uma grande estrela de cinema americano. Eu sei que eu mataria para trabalhar com ela. E eu gostaria de ver Joey Heatherton interpretando sua mãe.

A imagem de John Waters é um oferecimento Monochrome, a segunda da Pia Zadora é de Lucy Who

Veja também:
Dia de faxina na coleção de DVDs de John Waters


[Ouvindo: Fumando Espero – Libertad Lamarque]

8 comentários:

Moyses Ferreira disse...

que delícia! amo. bjs

Miguel Andrade disse...

Moyses, eu sabia! :)

BBardot disse...

kkkkkkkkkkkkkk, morrendo q John Waters citou Joe Gage.. ele é um diretor que mistura mto homens jovens com coroas. Waters entregando seus fetiches. rs Dia desses vi um com Colby Keller, ele transava com o próprio sogro, um coroa enxuto c uma gozada espetacular. Era Joe Gage quem dirigia. kkkkkk Já vi um que os filhos se masturbam à companhia do pai.. é uma loucura! Eu confesso que não vi a maioria desses filmes que ele citou. Esse da Jayne Mansfield (taí uma atriz q ñ simpatizo) continua raro mesmo com a internet agora ? Bjs!

Miguel Andrade disse...

Bbardot, mas o Cage de antes era diferente. Esse El Paso mesmo, tem prentensões a filme mesmo. rs

Sim, esse da Jayne Mansfield continua raro ainda. Também nunca o assisti.


E esse do Russ Meyer me deu vontade de ver. Sempre me divirto com os filmes dele.

Daniel Tavernaro disse...

Uai... No Amazon e na Itunes Store tem para vender! Ok, sem legenda, mas...

http://www.amazon.com/Single-Room-Furnished/dp/B0017LOMA0

Tem este link que achei via Google, mas não consigo abrir porque aqui no trampo é tudo travado:

http://www.4shared.com/document/rcbM9rOC/Single_Room_Furnished_starring.htm

Miguel Andrade disse...

Daniel, sim! Mas além da falta de legendinhas, há outros dela bem mais comuns até online.

Thiago Doido disse...

Tarantino deve ter lido isso. Ó lá a Pam Grier!

Miguel Andrade disse...

Thiago, e Tim Burton antes de Tarantino, em Marte Ataca! :D

Related Posts with Thumbnails