terça-feira, 7 de setembro de 2010

Chicano power

E entre as lamentáveis coisas que o abismo cultural entre o Brasil e o resto da América Latina nos abstém, está a apreciação da Luta Livre. Super heróis 100% nossos!

Mas parece que nem sempre foi assim! Toda vez que lamento isso perto de alguém com mais de quarenta escuto suspiros de saudades dos Gigantes do Ringue.

E lembro de Gigantes do Ringue em seus últimos suspiros, nas sonolentas manhãs de domingo da Record, antes da emissora ser conhecida como a TV do bispo Edir Macedo. Não vi lá muita graça...

Tive um chefe que volta e meia lembrava quando a vizinha comprou TV, a única do bairro, uma das poucas da cidadezinha. Virou habitué do sofá dela, onde se amontoava com os amiguinhos pra assistir luta livre.

Dizia que mal dava pra ver com tanto chuvisco, mas o som dos corpos batendo contra o ringue era suficiente para a gurizada celebrar aos berros. Ted Boy Marino, o boa praça!

Imagens são um oferecimento Magic Carpet Burn

Veja também:
Manual de Lucha Libre
Grandes astros do esporte: George, o belo
A inacreditável Mulher Perereca!
ESCÂNDALO! Santo revelado
El increible Blue Demon


[Ouvindo: Bali Ha'i – Rosemary Clooney & Perez Prado]

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails