sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Aproveitando o ensejo...

Volto a salientar que pirataria além de ser uma pobreza de espírito, é crime! Se você gosta de cinema, incentive a indústria e cobre por produtos de qualidade.

Nunca download de filmes encontráveis em qualquer loja, exibidos à exaustão na TV e pior ainda, em cartaz nos cinema. Depois não vale sair por aí xingando que políticos são corruptos entre outras mazelas cronicamente nacionais.

[Ouvindo: Nature Boy – Nat King Cole]

15 comentários:

Luiz Alberto disse...

Eu baixo toneladas de filmes e música sem a menor culpa.

O preço de uma entrada de cinema ou de aluguel de um filme no Brasil é um absurdo. O mesmo vale para jogos de videogame.

Coleciono discos de vinil, cd's e dvd's. Gosto de ter os materiais originais de tudo e sempre que posso faço questão de comprar os títulos que mais me agradam.

No cinema procuro dar prioriade aos filmes nacionais, mesmo sabendo que eles não dependem de bilheteria pois já encheram o rabo de dinheiro com verbas públicas obtidas por incentivos fiscais.

Trabalho em tv e já ralei em longas. A equipe trabalha em jornadas insanas, ganha uma miséria, toma calotes enquanto o peixe grande enche o rabo de dinheiro e está cagando para a carreira do filme ou qualidade do programa.

Agora 5,6,8 reais por um filme na locadora é um absurdo. 15 reais por uma entrada de cinema ou 100 por um jogo de videogame é pedir para o povo usar a net ou comprar piratas.

Lá fora os salários são muito maiores a o preço das coisas é bem menor. Já morei no exterior e nesse período a compra de cd's, dvd's e jogos ou tv a cabo tinha um peso muito menor no meu orçamento mensal.

Aqui uma pessoa que ganha por exemplo 700 reais por mês quase não vai ter opções culturais se for depender de cinema, aluguel de filmes, compra de cd's ou net.

Se for pagar as contas básicas, mais plano de saúde e comida sobra o que?

Os downloads são uma dádiva, te ajudam muito a selecionar o que você vai comprar. Se a pessoa gosta muito de um filme não vai se contentar em te-lo no hd, o barato é ter o original com a caixinha, mídia de qualidade, encarte, extras e etc...

O dinheiro que por exemplo economizo baixando filmes me permite comprar ao invés de alugar os dvd's.

Isso fudeu o mercado de aluguel de filmes? Sim, tanto quanto os preços baixos dos dvd's nas Lojas Americanas da vida.

Em vez de gastar 150 pratas na locadora vale mais a pena baixar os filmes e usar essa grana para comprar os dvd's originais nos saldões.

Se eu tivesse dinheiro pra comprar e alugar dvd's e séries eu pagaria com o maior prazer, mas não tenho.

Vou fazer o que? Deixar de assitir? É um clichê mas a net democratizou a cultura de uma forma maravilhosa.

Um exemplo é de quando uma banda vem tocar aqui no Brasil com ingressos caríssimos. se eu pagar 30 pratas no cd não vai sobrar grana pra assistir o show. Cansei de saber que uma banda que eu não conhecia direito iria tocar, baixei o cd e fui no show. Isso aconteceria sem o download?

Esse assunto é complexo mas acho errado demonizar os downloads ou comparar quem usa desses artifícios com políticos corruptos.

Pra fecahar só pra dar um exemplo vi o Into The Wild do Sean penn em casa no computador, fui assistir duas vezes no cinema e comprei o dvd depois. mesma coisa com o Tropa de Elite e tantos outros filmes.

Comprei os boxes da série Lost mesmo tendo baixado os episódios.

Os downloads não atrapalham os bom filmes, quando o produto é bom isso não é problema, só ajuda e divulga quem tem qualidade.

Anônimo disse...

Já sinto aquele cheiro de crisântemo, caprichosamente colocado no caixão da indústria artística...

Miguel Andrade disse...

Luiz, também nunca deixei de comprar nada que eu já tivesse baixado, mas somos exceções.

Mas não creio que nada do que você disse sobre o péssimo esquema tenha alguma relação com baixar ou não. Se o que eles fazem não é legal, não justifica de forma alguma o mesmo.

Há incontáveis blogs web afora de downloads que querem ter lucro. Pedem números de celular coisa e tal.

Isso é vergonhoso. O discurso de livre circulação da cultura vira mera desculpa para fulano esperto se dar bem.

Mais! Quem não tem dinheiro não pode nem pagar uma boa banda larga.... Não me convence!

Brasileiro tem que parar com essa mania malandra de o que outros fazem é desonesto e o que ele faz é só um jeito de poder ter as coisas.

Não só se aplicando a filmes, músicas, etc.

Exemplo, tô de saco cheio de ver conteúdo do meu blog surrupiado na cara dura.

O cara lá da conchinchina entra aqui, cata e dá a fonte. o Zé Ruela daqui entra, curte (não paga um centavo) se apropria e se acha o EXXXXXPERTO em reproduzir na página dele na miúda.... Povo muuuuito sacana!

Sempre fui contra usar marca d'água, mas cansei de sustentar blog de gente picareta que quer se manter online às custas dos outros. Aliás, muita preguiça de quem quer se dar bem a todo custo.

Enfim...

Já fiz alguns outros posts sobre isso. Me animei a repetir o tema após ver uma metida a dondoca divulgando no Twitter link pra baixar todos os Hitchcocks.

Muita vontade de falar: "Vá comprar, safada!". Pra bancar a rica com produtos Apple tem dinheiro, pra comprar DVD ela banca a gatuna?

Anônimo, eu também! E a postura da indústria retrograda, em querer continuar a lucrar da forma antiga só tá ajudando a enterrar.

Leo disse...

"Quem não tem dinheiro não pode nem pagar uma boa banda larga." BINGO! Quem mais se usa dos downloads é a classe média\alta que é quem pode pagar por uma boa velocidade d conexão em casa.

Esse negócio de que internet democratizou a cultura é um papo que me dá sono. Pq só se vê o nível cair, o "acesso" teoricamente tá ai, mas como q as pessoas empregam as ferramentas é q é o negócio. Q filmes q as pessoas estão baixando? Acho que é mais tipo "Transformers" q tá em qq cinema d esquina ai, do q uma coisa q o acesso é difícil por vias normais.

Refer disse...

O Luiz Alberto tem razão em dizer que dwnld não prejudica as vendas, ao contrário, até ajuda a divulgar o filme, o músico etc.

Quem aceita a qualidade baixa do dwnld do MP3 ou do DVD pirata, de qq forma nunca iria comprar o original, independente do preço cobrado.

O Luiz Alberto tem razão, também, em se queixar dos preços altos — qq CD em lançamento não sai por menos de 35/40 reais. Livros custam cerca de 45/ 50 reais. Os preços praticados são ridiculamente altos, para os shows ao vivo, inclusive. Jeff Beck vem aí, em novembro. Preços: Via Funchal - R$200 (pista) a R$300 (pista vip).

A questão principal é: a grande massa potencialmente consumidora de CDs e DVDs, o povo que está hoje entre os 15 e 30 anos, não sente necessidade NENHUMA de ter o suporte, o CD, o DVD. Tendo a coisa no HD do PC, pra eles, já está bom.

Esse é o desafio para o futuro das gravadoras, editoras etc.: como fazer reverter essa tendência, como estimular as gerações futuras a comprar o filme e o disco nos seus devidos suportes? Com certeza, não será cobrando preços extorsivos.

Leticia disse...

Refer, o problema está aí. Acontece que a indústria de CD, de DVD e dos livros jererecas também pensa assim: quer ter sua vantagem e o resto que se dane.

Sei de casos, p. ex., de traduções roubadas custando 50 paus nas livrarias, como se tivesse lançado mão de serviços especializados e pago bem por eles.

E assim se estabelece o círculo vicioso brasileiro. Como a gente não pensa muito além da cenoura na frente do nariz, trabalhamos como formiguinhas diariamente pra f_der com qualquer atividade, com qualquer emprego. O setor terciário brasileiro aída se concentrará só nesses downloads safadinhos.

A pessoa que acha tudo caro talvez esteja desfocada: o problema fulcral pode ser o salário dele - ganhe bem ou mal, está sempre pensando que os outros lhe roubam, e precisa tirar vantagem em tudo. Agindo assim, vai perder mercado meeeeesmo...

Miguel, o Anônimo aí sou eu.

Leticia disse...

Refer, o problema está aí. Acontece que a indústria de CD, de DVD e dos livros jererecas também pensa assim: quer ter sua vantagem e o resto que se dane.

Sei de casos, p. ex., de traduções roubadas custando 50 paus nas livrarias, como se tivesse lançado mão de serviços especializados e pago bem por eles.

E assim se estabelece o círculo vicioso brasileiro. Como a gente não pensa muito além da cenoura na frente do nariz, trabalhamos como formiguinhas diariamente pra f_der com qualquer atividade, com qualquer emprego. O setor terciário brasileiro aída se concentrará só nesses downloads safadinhos.

A pessoa que acha tudo caro talvez esteja desfocada: o problema fulcral pode ser o salário dele - ganhe bem ou mal, está sempre pensando que os outros lhe roubam, e precisa tirar vantagem em tudo. Agindo assim, vai perder mercado meeeeesmo...

Miguel, o Anônimo aí sou eu.

Miguel Andrade disse...

Leo, isso aí! Concordo plenamente!

Refer, certos! Concordo com vocês coisa e tal, mas o buraco vai muito mais além.

Claro que eu e o Luiz vamos comprar o que baixamos, mas me referia ao hábito geral. Esse povo pacato que está POUCO se lixando ao que acontece ali ao lado contanto que ele não saia perdendo.

A questão vai muito além do preço, já deixei isso muito claro neste outro post aqui:
http://cidadaoquem.blogspot.com/2010/03/prova-dos-9-de-um-dvd.html

As vezes (como no caso) é de chorar confrontar um filme baixado com sua versão adquirida legalmente, e este é um dos motivos para a existência de blogs como o meu. Quem realmente se importa em comprar pode se defrontar com produtos sofríveis.

Já safadinho que sai fazendo download de tudo, pode estar a 2 reais que vai querer de graça pra se autoafirmar como o cara mais esperto do planeta. Já vi fulano no Twitter se gabando dos equipamentos de alta definição que tinha comprado. Logo depois lamentando a lerdeza do filme em alta definição que estava baixando para assistir nos novos equipamentos.

É ou não uma miséria de espirito? Espero cada vez menos dessa gente.

Há grandes filmes originais a 5 Reais, 8 Reais. ENCALHADOS! Olha o caso do Suspiria, obra prima, lançado no Brasil em DVD duplo, cheio de extras.

É encontrado nos centros das grandes cidades a 8 mangos... DE GRAÇA! E mesmo assim a gente acha arquivos de péssima qualidade pra baixar!!!

O que eu defendo, ou acho simpático, é que downloads só sejam feitos para coisas que realmente não se encontre, que nunca foram lançados. Ou em cidades minusculas do país, com distribuição de cultura ínfima.

Algum tempo depois da popularização da banda larga, o que vejo são sites de pirataria se profissionalizando, inventando recursos discutíveis para lucrar às custas do que terceiros produziram.

Cadê o discurso de livre distribuição de cultura? Pra onde foi parar o principio básico da internet de compartilhar?

E como já disse, fulano gasta dinheiro com tanta merda que vai estar velha daqui a um mês, e não desembolsa uma nota das vermelhas por um filme que guardará por décadas.

Sem falar que com tanta coisa boa já feita em mais de um século, tem que ser MUITO BOÇAL pra perder tempo assistindo a um Transformers da vida. Sendo que nem se a gente vivesse o dobro da idade que estamos agora teríamos tempos para assistir a tudo que foi feito de relevante.

Letícia, EXATAMENTE isso! Como uma velha (que vomita aos 4 ventos ser uma pessoa muito boazinha) que faz transporte de animais até a veterinária que me cobrou outro dia O PREÇO DE UMA CASTRAÇÃO!

Só porque quem precisa de veterinário está desesperado e pagará o que for preciso. É ou não atitude digna de arder no inferno?

Só a bos maioria da cambada de Brasília é picareta? O que cada um faz no seu dia a dia?

Igres Leandro disse...

Não vou entrar na discussão porque tô com preguiça.

Err, não quero imaginar o conteúdo dessa revista.

Miguel Andrade disse...

Igres, muito franco! hahaha

Luiz Alberto disse...

Uma conexão de 1 ou 2 megas custa o preço de duas idas ao cinema com lanche ou três sem. É cara se for comparar com outros países, mas por 60 pratas é um preço razoável pelo que ela te proporciona.

Há um bom tempo que a banda larga deixou de ser luxo!


A internet democratizou sim a cultura e ajudou muitos artistas a serem descobertos.

Acho que um cara como o Russ Meyer por exemplo vende muito mais dvd's hoje do que vendia vhs's antigamente.


Acredito que o nível cultural das pessoas melhorou muito, vocês estão vendo apenas o lado ruim da coisa.

A internet teve um resultado muito positivo, graças aos downloads o que mais vejo hoje em dia é molecada de 14, 15 anos fã do Argento. E essa mesma molecada tá metendo a mão na massa fazendo seus filmes caseiros se qualificando nas mais diversas funções graças aos programas piratas.


A pirataria de softwares fez muita gente se capacitar a operar programas que não teria dinheiro pra comprar.

Um pacote do Final Cut Studio custa três mil e quinhentos reais! Mesmo programas como Office ou Photoshop são os olhos da cara.

Eu vou achar errado alguém pegar na net um pirata do After Effects, fuçar e se qualificar para o mercado de trabalho?

Eu mesmo fiz isso, e na minha época a edição de vídeos em computadores estava engatinhando, foi um sufoco danado comseguir comprar um mac naquela época (levei um ano e meio pra pagar só o hardware) e seria impraticável comprar os programas.


Frequento o Festival do Rio há mais de 15 anos, antigamente não havia problema nenhum para comprar ingressos de midnight movies ou de cineastas obscuros. Hoje se você não corre pra comprar com antecedência fica não consegue assistir o mesmo tipo de filme que na década passada levava 3 gatos pingados na sessão.

Isso é um claro reflexo positivo da cultura de downloads.


Os blockbusters continuam faturando milhões e o mercado para os cineastas independentes melhorou MUITO.


Existe muito picareta querendo lucrar com pirataria? Sim, mas tem o outro lado da moeda.

Na minha visão o saldo foi positivo.

Luiz Alberto disse...

Copiar conteúdo de blog é outro papo, é muita safadeza e mesquinharia pegar o texto de outra pessoa e publicar no blog sem dar fonte e link.

É a mesma coisa que eu pegar o manuscrito do livro de alguém e assumir a autoria.


Não acho que isso seja comparável a baixar um cd ou um filme, nesse caso o mais próximo seria baixar um pdf do livro ou texto por exemplo.


Mas eu tenho o maior cuidado com isso, jamais colo textos de outros blogueiros, se vejo algum artigo interessante coloco o link e mando a pessoa ler na página do dono.


Sobre downloads no meu blog eu não tenho o menor problema, até porque só faço isso com coisas mais "underground".


Mesmo assim não vejo problema da menina colocar a filmografia do Hitchcock pra galera baixar. Acredito que isso vai ajudar muito mais do que atrapalhar.

Quem realmente curtir os filmes vai comprar os dvd's originais com extras, making of, comentários e audio decente (principal problema dos downloads, o áudio é sempre uma merda).

Quem não conhece vai passar a conhecer e se aprofundar mais na obra dele, baixar as trilhas e acabar se enquadrando no primeiro exemplo.


Agora botei os links da filmografia completa do Hal Hartley por exemplo. Eu tenho material dele em dvd, vhs, cd's originais de trilhas e espero que as pessoas conheçam o trabalho dele para fazer o mesmo que eu!


Copiei os discos do meu box do Mojica para um monte de gente. O resultado? A maioria adorou os filmes e comprou os dvd's originais. Fico feliz pra cacete quando isso acontece, e nem ligo para o fato de eu ter pago uma nota preta no lançamento e do pessoal ter comprado pela metade do que eu paguei.

É a mesma coisa das fitas K-7...

Miguel Andrade disse...

Luiz, mas não era de coisas mais undergrounds que eu me referia no post.

Claro que temos muito mais acesso a informação. E você acha que o povão que baixa Transformers da vida tem algum interesse em saber quem é Russ Meyer?

Quanto a softwares caros, meu discurso é diferente. Um coisa é a molecada aprender a usar, outra são empresas que cobram os tufos dos clientes e mesmo assim não pagam pelo software que usam.

Frequência de festivais, bienais, etc, são como igreja para crentes. O povo usa pra dizer socialmente que é uma criatura melhor. No resto do ano tá pouco se lixando para filmes que não sejam falados em inglês dos EUA.

Mais! Hitchcock pouco precisa de uma malandra subdesenvolvida o promovendo. Quem sai perdendo somos nós que não temos edições decentes de seus filmes à venda aqui porque não há mercado!

Mojica é hiper famoso desde sempre, inclusive online. Lamentavelmente ninguém pagou para ir ao cinema ver seu filme mais recente, o que prejudicou possiveis novos projetos.

No post eu não me referia a Mojica, Russ Meyer ou outros estranhos. Me referia ao mercado comum mesmo.

"Nunca download de filmes encontráveis em qualquer loja, exibidos à exaustão na TV e pior ainda, em cartaz nos cinema."

Agora, roubalheira é roubalheira, partem do mesmo raciocínio de querer se dar bem as custas de terceiros. Gente tão miserável ao ponto de mesquinhar a porcaria de um link, de um local que eles gostam, de ar o único incentivo (sem desembolsar um centavo)para que o blogueiro não pare.

Já ouvi "Há mas eu achei no Google!". Tanta ignorância que acham que o Google é um gerador de conteúdo, não um sistema de buscas.

E dane-se quem se deu ao trabalho de criar aquilo. Um dia a gente conversa mais a fundo sobre o lado sombrio de quem cria a porcaria de um blog sem ter/saber o que colocar nele com as próprias pernas.

Isso tudo me pareça ter uma só origem: A falta de educação, falta de escrúpulos e aquela terrível confusão entre moralismo e moralidade. E tristemente por falta disso o Brasil não acaba.

Leticia disse...

Miguel, talvez você já tenha visto lá em casa a questão dos plágios de tradução. Resumindo, o editor, em vez de pagar um bom tradutor, shoopa uma tradução portuguesa ou brasileira, daquelas esquecidas, e põe lá um nome fictício qualquer nos créditos de tradução.

Você não imagina a dificuldade que é explicar pro povo o que acontece. Vem aqueles argumentos subdesenvolvidos de sempre: ah, o acesso à leitura; ah, pelo menos os livros são baratos...

A pessoa não entende que devemos ter uma ATITUDE não comprando esse tipo de livro, porque o editor cometeu um crime, e deve ser boicotado por isso - já que nossos juízes tampouco entendem o que acontece.

Certa vez até conclamamos (como todo lobby legítimo) a Livraria Cultura a tirar certo livro de tradução plagiada de circulação. Ela não se moveu. Espera decisão judicial, SABENDO que aquilo é criminoso. Em vez de apoio, levamos ovos de alguns comentadores. De modo geral, nos blogs que abraçaram a causa, as pessoas confundiram tudo. Acharam até que tínhamos jabá com editoras concorrentes, o diabo.

Quer dizer, nem a opinião pública funciona aqui, por total falta de entendimento sobre o que acontece. Por completa ignorância também, não imaginam que a causa vem sendo levada por profissionais sérios, porque simplesmente não sabem diferenciar eles na multidão picareta.

Jogo duro. Chego a pensar que merecem ser roubados em 15, 20 paus e ler, pomposamente, uma tradução picareta, na certeza de que estão evoluindo.

Miguel Andrade disse...

Letícia, sim, lembro também da história da Raquel.

É tudo tão irregular aqui. Se com filmes já é um obaoba, com livros então deve ser a plena Zorra Total.

Muitas distribuidoras pequenas lançam filmes em DVD sem ter adquirido seus copyrights. Na cara dura os comercializam tabelados a preços exorbitantes....

Agora, o mais toscos dos toscos, é que estas edições criminosas são distribuídos em grandes lojas e nada é feito.

Redes esnobes os têm nas prateleiras na cara dura. Como empresas suspeitas conseguem distribuição em "boas casas do ramos", sem que estas indaguem sua procedência é um mistério.

Daí você coloca um trechinho de nada de um filme obscuro no you tube e rapidamente você está fora do ar, sendo ameaçado por leis, etc. Muito confuso...

Related Posts with Thumbnails