segunda-feira, 24 de maio de 2010

Devassidão literária

E ninguém me tira da cabeça que no mundo encantado das capas do Círculo do Livro, colocaram o cara das propagandas da Brastemp pra retratar o Marquês de Sade! O barbudo ruivo.

O outro também tem um rosto bem manjado nos anúncios da TV, mas não consigo associar com nenhum específico. Mas enfim, a distribuidora se esforçava além da capa dura em si.

E pra quem se pergunta o porquê eu ter tantas edições do Círculo do Livro, é bem simples. Cresci numa cidade onde não havia livrarias, então eu me virava como podia.

Ler Marquês de Sade, na época, foi decepcionante. Não sei o que eu esperava, provavelmente algo muito além de um livro.

Poucas vezes consumi algo ansioso e não dei com os burros n’água! Ciranda dos Libertinos é um realmente bem sujo como eu esperava, mas maçante de ser lido.

Não tentei voltar a ele depois. Ainda mais agora, impossível desassociar a personagem Justine com o Cine Band Privê.

[Ouvindo: Sukiyaki – Kyu Sakamoto]

6 comentários:

Charles Bonares disse...

Não é dessa Justine que Theodor Adorno faz mote do segundo capítulo da Dialética do Esclarecimento? Se for, ela me encanta - pelo que Adorno diz dela, não pelo que diz Sade.

Miguel Andrade disse...

Charles, não posso responder isso. Nesse livro de Sade, ela é personagem de relativa importância.

Leticia disse...

Miguel, será que a leitura enfadonha não é por causa do linguajar? Outro dia peguei um Sade bem fiel ao original, e acontece isso...

Miguel Andrade disse...

Letícia, sim, e por ser escrito como peça teatral. lembro que a leitura fica dando soquinhos, não anda.

Leticia disse...

ODEIO ler texto de teatro.. ODEIO!

Não, o que fiz foi "Filosofia na Alcova". Bem apimentada, mas naquela linguagem. Não é de todo ruim de ler, não, acho que você ia gostar. É uma reedição, já saiu...

Miguel Andrade disse...

Letícia, tentarei achar. Quem sabe agora, com mais idade...

Related Posts with Thumbnails