quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Criando expectativa


E nem sei se isso é um trailer, porque no IMDB nada consta como Highrise (Arranha-céus segundo a tradução). Catei no DVD de Túnel do Horror (Night Shift Collection, 1983), aparece do nada, no começo do disco.

Se alguém já viu esta cena em algum filme, conta aí qual. Imaginativo inseto gigante robótico seqüestrar um prédio pela raiz para depois solta-lo (com tantos outros lugares) bem em cima do tiozinho rastejante.

Exemplo daquele fascinante mistério do universo: Antes que a tecnologia nivelasse todo mundo, quanto maior a criatividade do cineasta, menor o orçamento!

[Ouvindo: Jay Rules - Zombie Zombie]

Compreendida pelas mulheres

“DENTRE as últimas beldades surgidas da magia das câmeras cinematográficas para enfeitiçarem os homens, existe uma que foi mais compreendida pelas mulheres: é Sophia Loren.

Sophia não despertou ciúmes nos corações das meninas-moças. Por quê? Não se sabe! Asseguram os entendidos que Sophia, apesar de bela e insinuante, tem um olhar maternal, uma expressão doce e até mesmo melancólica. É possível que seja esta a razão, e em estudo psicanalístico poderia confirmar a hipótese. O fato é que as moças entenderam assim, e a influência de Sophia conduz os rapazes a pensarem em casamento e nas responsabilidades honestas da vida de casado. Se é assim, como estamos dizendo, então Sophia merece, ainda, maiores aplausos porque abre um novo campo para a técnica do cinema que, com a sua fartíssima influência, muito poderá contribuir para um futuro sólido na formação dos lares. Foi com êsse pensamento que escolhemos esta foto de Sophia Loren, para figurar neste número de Noivas. Estudem as expressões da estrêla do film da Fox "Boy Dolphin", no qual aparece ao lado de Alan Ladd e Clifton Webb!”

Enfim, naturalmente mulher só pensa em casar, e conseguir um ar de mamma italiana a lá miss Loren é meio caminho ao altar. E daí pra “E foram felizes para sempre” é um pulo!

Veja também:
Vampirella e Sophia Loren: Separadas na maternidade
Sophia Loren super natural


[Ouvindo: Bom Dia,Tristeza - Maysa]

Vai dar pra passar?


Caçadores de talento de Hollywood tremam! Um punhadinho de moças dispostas a entregar todo talento.

Imagino o cheiro de água oxigenada gritando na fila pra fazer testes. E aquele “4 Play” ali no cantinho é aviso de que as vagas são bem disputadas!!!

[Ouvindo: Snake In The Grass - Monaco Danceband]

No rastro do cometa


O algoz



As vítimas


Engraçado como fenômenos astronômicos que acontecem de tempos em tempos são hiper banais hoje em dia. Quase a cada mês temos um.

Nos 80 não era assim! A passagem do cometa Halley foi uma febre absurda! De revista em quadrinhos, camisetas, discos... Teve de tudo para aproveitar a oportunidade que só acontece de 76 em 76 anos.

Mas que oportunidade? Ninguém viu coisíssima nenhuma, embora sempre tinha aquele coleguinha mentiroso na escola contando o mesmo que dirá aos netos.

No cinema Tobe Hopper (de O Massacre da Serra Elétrica, 74) deu mais um passo rumo ao anonimato com Força Sinistra (Lifeforce, 1985). Maior cabide de emprego que os bonecos animatrônicos já tiveram.

Mezzo Aliens – O 8° Passageiro, mezzo Invasores de Corpos, astronautas acham 3 pessoas peladonas dentro do cometa Halley. Na Terra revelam-se vampiros de energia vital.

Com a vilã sempre nuinha andando de um lado pro outro, seria impossível assisti-lo na Tela Quente destes pudicos tempos em que vivemos. Tem mais nudez que as infatigáveis aventuras de Justine no Cine Band Privé.

[Ouvindo: Vitória Régia – Tim Maia]

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Ternura intacta


Levei a vida toda acreditando que Puro Teatro, cantada por La Lupe, era pra dor de cotovelo em lá maior. Um dramalhão rasgado de mulherzinha abandonada, ouça a música clicando aqui.

Segue trecho da letra de Tite Curet Alonso:

"Igual que en un escenario
finges tu dolor barato
tu drama no es necesario
ya conozco ese teatro.

Fingiendo,
que bien te queda el papel
después de todo parece
que esa es tu forma de ser.

Yo confiaba ciegamente
en la fiebre de tus besos
mentiste serenamente
y el telón cayo por eso.

Teatro,
lo tuyo es puro teatro
falsedad bien ensayada
estudiado simulacro.(...)"

Mas, levando-se em conta de que ela era exilada política cubana, a carapuça também cabe lindamente ao ditador Fidel Castro. Revolucionário popular que de popular mostrou não ter nada.

Pior que vai embora meio mundo, gente boa pra chuchu, e Fidel continua lá, firme e forte. Às vezes parece que o capeta já ta esfregando as mãozinhas, no aguardo, e nada...

A foto P&B é um oferecimento Impromp 2, a letra da canção de Soy un perro callejero.

[Ouvindo: Dayha Oulabes - Boutaiba Sghir]

Ladies and gentlemen:


Romântico e altruísmo num mundo de milionários excêntricos e alcoólatras.

[Ouvindo: Quem é – Carmen Miranda]

Super espião na rota dos entorpecentes


Nitroglicerina pura! O Roteiro das Dorgas, digo, Drogas coloca o foderoso Máscara Negra às voltas com traficantes, espionagem internacional, guerra do Vietnã e mocinhas tão letais quanto as armas que empunham.

A arte da capa, lógico, é inconfundivelmente do Benício. Mas a editora Monterrey, consciente do talento que tinha na em mãos, deu crédito na terceira página, com fonte do mesmo tamanho que a usada para o autor.

Vem cá, não achei nada sobre quem é Tony Manhattan na web. Não parece pseudônimo de Antônio Severino da Silva?

Veja também:
Benício, o homem dos milagres
10 belezocas perigosas
Mais pulp fictions


[Ouvindo: Las Espigadoras (La Rosa Del Azafran) - F.Delta]

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Aproveita que ninguém ta vendo


Até tu, Capitão Kirk? Uma estalagmite aonde nenhum homem jamais esteve!

Mas há controvérsias... Veja!

Um oferecimento Immoral Tales

[Ouvindo: Mas Que Nada - Odell Brown & The Organizers]

¡Viva Pedro!

Linda a capa da edição desta semana da revista Serafina. Nem as revistas de cinema nacionais têm uma capa tão legal assim há muito tempo.

Poderia estar na parede, decorando um cenário almodovariano. E é redundante falar que a entrevista de Almodóvar está fabulosa.

Há várias fotos mostrando a produtora El Deseo por dentro. Achei curiosa esta adaptação do rosto de Penélope Cruz no pôster indiano de Volver. O gosto local a deixou muito mais redondinha.

Ele dá sua lista de atrizes brasileiras favoritas: Marília Pêra, Sônia Braga, Regina Casé e Fernandas, madre e hija. Indiscutível.

Não sabia que a 02 de Fernando Meirelles havia comprado os direitos do romance cômico/pornô Fogo Nas Entranhas. Do jeito que o cinema brasileiro está apelativamente desesperado por hits, deu-me calafrios.


Veja também:
Fogo nas Entranhas: Régame!
Almodóvar & Cia.: A razão do meu afeto


[Ouvindo: Las Guitarras Tropicales - Silvestre Montez y sus Guantanameros]

Por um mundo mais confortável


Esse post faz tempo pra caramba! E to me sentindo como aqueles cientistas loucos de ficção cientista 50’s: “Riram de mim? Vocês vão ver só!”.

Nem lembro mais pra qual SAC liguei (talvez seja Seara mesmo), mas a mocinha que atendeu ficou com voz de “Quê?”. Ontem na seção de frios me deparei com.... Tcharã!!!

O formato seria oval, não retangular. Possibilita total apreciação do seu hambúrguer sem se preocupar com as bordas escorrendo pelos lados do pão francês.

Ok, fiquei feliz sim com pedaços de carne moída congelada! Pela primeira vez nesta vida me deparei com uma boa idéia sem indagar: “Por que não pensei nisso antes?”.

[Ouvindo: Across 110th Street - Bobby Womack]

domingo, 27 de setembro de 2009

Quem lê Psychotronic Video?

José Mojica Marins (Coffin Joe!)
Roger Corman
John Waters

Dedicada àquele tipo de cinema que o senador Bob Dole definiu como “Um Pesadelo de depravação”, a revista Psychotronic Video é inestimável fonte de referência. Não deixa escapar nenhum subgênero de explotation, e ainda criam alguns outros.

Tem até uma espécie de coluna social para brindar as celebridades da área com luxo, poder e cobiça. Quem estava no topo da sessão na edição 21 de 1995?

E a legenda era exatamente esta “José Mojica Marins (Coffin Joe!)”, com exclamação. Zé do Caixão não precisa da Caras pra N-A-D-A!

[Ouvindo: Turning Japanese - The Vapors]

Pausa para nossos comerciais


Charm – O importante é ter Charm.

Nem muito nojentinho eu sou, mas este anúncio me embrulha o estômago. A bola de chiclete amarela de tabaco assim...

Imagina o cheiro de hortelã com cigarro, que maravilha de disfarce que é. Puro charme mesmo!

[Ouvindo: E.S.P. - Deee-Lite]

sábado, 26 de setembro de 2009

Liga pela moral e bons costumes

Toda vez que vejo esta ceninha de O Clube dos Pervertidos (A Dirty Shame, 2004, John Waters) suspiro pelos vizinhos que tenho há anos! Casas geminadas!!!!

Casal heterossexual, cristão, volta e meia recebe a galera da igreja pra rezar novena. Papai bronco, mamãe boca suja que deve ser surda, afinal, grita palavras de baixo calão o dia todo, e dois pequerruchos.

A princípio pensei que a Linda Blair tinha se mudado ao lado. Ouço os guris correndo pela parede!

Seria uma sorte danada ter um casal de ursos como vizinhos. Eu iria ao muro gritar: “More blowjobs!”

Do jeito que o diabo gosta

Ao ponto! Não convém furar a carne para que não resseque ao perder líquidos.

Veja também:
Diabrura de Joana Prado


[Ouvindo: O Sol Nascera - Cartola]

Amigas para sempre

Wow!!! Coisa para poucos! Embora sua fama não seja lá de ser uma pessoa muito fácil, ter uma amiga que no final da sua vida ainda te descreva de forma tão espetacular.

Olivia de Havilland delineou Bette Davis como “Basicamente um vulcão benévolo, em constante erupção” em 1983, para o documentário que acabou se chamando “Bette Davis: A Basically Benevolent Volcano”. Foram unha e carne por décadas!

Tanto que quando Joan Crawford começou a dar piti demais nos bastidores de Com A Maldade Na Alma (Hush...Hush, Sweet Charlotte, 1964) Davis não teve dúvidas. Enfurecida mandou o diretor Robert Aldrich substituí-la por Havilland.

Pronto! Em troca da calmaria de egos, foi-se embora a chance de outra parceria entre o diretor e as atrizes tão bem sucedida em O Que Terá Acontecido a Baby Jane? (What Ever Happened to Baby Jane?, 1962).

E pelo histórico de Olivia de Havilland não creio que ela seja aquele doce de pessoa, abnegada, conforme ficou imortalizada com ...E O Vento Levou (Gone with the Wind, 1939). A amizade entre as duas é um daqueles casos de afinidade que não se explica facilmente.

Veja também:
Confiar nas amizades é tudo!
Revista Veja noticiando o falecimento de Bette Davis
Muito mais Bette Davis


sexta-feira, 25 de setembro de 2009

A verdadeira Monga A Mulher Gorila

É espantoso como toda a lenda tem uma base real! Até Monga A Mulher Gorila, atração tradicionalíssima em parques de diversão mambembes.

Julia Pastrana foi uma mexicana de origem indígena que teria vivido entre 1834 e 1860. Era portadora de hipertricose, doença genética que faz o corpo ser coberto de pelos.

Como espetáculos itinerantes de anomalias eram comuns, se apresentava como mulher gorila cantando e dançando. Teria feito muito sucesso na Europa até que foi vendida por uma mulher (provavelmente sua mãe) a Theodore Lent.

Lent a ensinou a dançar e a tocar instrumentos para enriquecer seu show. Também a ensinou o que é o amor, já que ela deu à luz a uma criança com características semelhantes as suas.

O bebê morreu alguns dias depois, assim como Julia de complicações do parto. O pai embalsamou os dois e continuou os apresentando ao público dentro de redomas de vidro.

Registros dão conta de que Theodore Lent acabou casando outra vez, com outra portadora de hipertricose a quem chamou de Zenora Pastrana. Faleceria muitos anos depois em um manicômio totalmente na miséria.

As famosas múmias desapareceram até ressurgirem em 1921 na Dinamarca e novamente postas para apreciação pública. Na década de 70 o governo local ameaçou confiscá-las se a exibição continuasse.

Roubadas em 79, estão armazenadas desde 1990 no Instituto Forense de Oslo. O mito Julia Pastrana continua percorrendo todos os rincões brasileiros.

Para saber mais há este site em inglês, fonte da maioria do que há na web. O Jornal da Globo apresentou uma matéria bem interessante sobre o dia a dia de Monga - A Mulher Gorila.

A foto maior é um oferecimento de Raquel Santana

As Certinhas do La Dolce

Marta Kristen
Perdida.


[Ouvindo: Tobacco Road – The Roamers]

Descanse em paz


Sue (Amy Irving) presta as últimas homenagens à melhor amiga. Hoje em dia, a mãe da Carrie White (Sissy Spacek) teria presença garantida numa matéria do Fantástico sobre Bullying.

Essa imagem final de Carrie, A Estranha (1976 de Brian De Palma) me assombrou a infância inteira. Quem manda ser um menino desobediente e ficar vendo filme de terror até tarde?

[Ouvindo: Girl From The City - Strawberry Alarm Clock]

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Helena Ramos 25 anos depois


Em comemoração aos seus 11 anos, o Canal Brasil preparou retrospectiva da carreira de Helena Ramos. Dafne Sampaio, do blog Esforçado, esteve na residência da atriz para fotos e entrevista, publicadas na revista Monet.

Entre algumas declarações espirituosas, Ramos fala sobre o título que normalmente precede seu nome: “Esse negócio de ‘musa da pornochanchada’ é um rótulo, né? Nunca gostei, achava depreciativo porque fiz filmes muito interessantes, que foram muito significativos na época, mas sabe como é a mídia, né?”.

Sem filmar desde Volúpia de Mulher, de 1984, ela está pronta para trabalhar novamente, como se suspeitava. “Não perdi interesse por atuar não, imagine. Adoro minha arte, gosto de representar. Mas é que às vezes as coisas não acontecem, simplesmente não acontecem.”

Enquanto as coisas não acontecem, o cinema nacional vive o eterno repeteco de rostinhos famosos da novela do momento pra cá e pra lá... Vale a pena ler o post inteiro no Esforçado.

Veja também:
Silvio de Abreu: "Helena Ramos nunca reclamou de absolutamen­te nada"
As certinhas do Patrão


[Ouvindo: Love Masterpiece - Thelma Houston]

Podcast edição 14


Oi, demoro mas faço! Saindo a 14ª edição, festejando o cinema de Ivan Cardoso.

Um pouco de texto sobre o mais pop dos cineastas do Brasil e dois dos temas de seus filmes, As 7 Vampiras e O Escorpião Escarlate. Quem nunca os assistiu vai pelo menos ter uma idéia do que se trata.

Para ouvir ou baixar o MP3, clique no player abaixo ou no menu do blog ao lado.


Para ter acesso às edições anteriores clique aqui.

[Ouvindo: El Combo de Pepe - Descarga en Menor]

Ressaca à vista


Ginger Lym (Lynn) está para Amber Lym (Lynn) como Bruce Lee está para Christopher Lee. Colegas de profissão com o mesmo sobrenome.

Ícone 80s, teve carreira curtíssima na indústria pornográfica. Mas, conforme seu verbete na Wikipédia, entre 84 e 87 participou do cabalístico número de 69 produções do gênero.

Veja também:
Aquela que dormiu com John Holmes


[Ouvindo: Danger In Go Go Boots - Carlo Montez]

Related Posts with Thumbnails