quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Edward Mãos de Tesoura

Minha tataravó ensinou minha bisavó que ensinou minha avó que contou à minha mãe que não contou pra ninguém porque achou uma bobagem amarrar o pé da mesa sempre que alguma coisa desaparece em casa. Infelizmente não sou uma pessoa tão organizada quanto ela e garanto que o método não falha nunca aqui! De chave, óculos de sol a CD, não há sumiço que um pedaço de pano amarrado não resolva! E o melhor é que não precisa ser virgem nem nada. O pano! O amarrante muito menos... Simpatia mais simpática era a que uma amiga aprendeu em casa pra queles momentos de aperto absoluto. Diz que não há prisão de ventre que resista se quando sentar no troninho, tal e qual a princesa que você é, colocar na cabeça um quadradinho de papel higiênico, milimetricamente cortado no pontilhado. Daí é só esperar um pouquinho... E voilá! Tecnologia e explicações científicas (beeeeem) à parte, o que importa é a conveniência! Ás favas os Correios!!! Ninguém mais manda cartas! Nem a Dora! Esqueceram de avisar a professora do meu sobrinho que deu tal façanha ao guri... E que destinatário mais bacana que o tio que mora longe com um monte de gatos e cachorros? Meses a cartinha dele ficou á vista pra não esquecer da resposta. Eu olhava pra ela, ela olhava pra mim... E a famosa Pri (guiça) gritando!!! Sinceramente duvidava que ainda conseguisse escrever à mão. Legivelmente. Tá!!! Hoje enviei a cartinha nem tanto com medo de deixar, justo nesta época do ano, uma criançinha terrivelmente infeliz, mas pra não receber a visita dos três espíritos natalinos. Minha amiga do papel higiênico na cabeça não tem a mesma fobia. Vai demitir um funcionário, com família e tudo, justo agora... Já tô preparando o “Eu avisei! Eu avisei!”.

[Ouvindo: Hare Rama Hare Krishna – Dum Maro Dum]

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Como Agarrar Um Milionário

Não chega necessariamente a me tirar o sono, mas a cada notícia sobre o “esperado” retorno das Spice Girls penso o que a Victoria Beckham faz ali no meio... Fala sério, minha senhora! Se você fosse casada com um a celebridade fedendo de tão podre de rica como David Beckham, deixaria sua santa casa pra fazer estripulias em cima de um palco? Hun? Claro que é ótimo ter seu próprio dinheirim, mas há limites de constrangimento para isso! Se saísse sem calcinha como uma piranha qualquer ganharia até mais flashes, né? Eu hein, Rosa! Vai ver que é muito boazinha. Resolveu colocar sua imagem a favor das ex-colegas que não deram tão certo assim na vida, se é que você me entende... Inclusive a gordinha, que dava um duro danado pra parecer a mais safada, e foi a primeira a sair (soltando farpas) está entre elas!!! E no show novo cada uma tem direito a momento solo, cantando (?) um hit (?) de quando estavam sozinhas... Até a Sporty Spice (que nunca me enganou) dizem que tem o seu... Mistress Beckham aproveita também pra fazer o que fez durante estes últimos 7 anos: Nada! Faz carón e anda pra cá e pra lá! E a marrom bombom que nem faz tempo estava nos tablóides exigindo a paternidade de seu rebento a Eddy Murphy? E dessa história me espantei com os ti-ti-tis de que ele não gostava da fruta. JAMAIS cogitei isso! Oh! Assim como quando o David Cardoso (o rei da pornochanchada) disse à revista Set que o Mazzaroppi era gay. O caboclo seria exigentíssimo nos testes de sofá pra galã de sucessos como O Jeca e a Égua Milagrosa. Cruuuuuuzes!!!

[Ouvindo: The Killing Moon – Echo & The Bunnymen]

sábado, 8 de dezembro de 2007

Videodrome – A Síndrome do Vídeo

No mundo competitivo dos pré-adolescentes na virada 90’s quem não tinha vídeo cassete não tinha nada! Sucessos do nipe de Robocop ou A Mosca só os amiguinhos mais abastados viam. A chefona lá de casa além de alegar não ter grana (coisa que não há petit que compreenda) ainda dava como exemplo outra febre de consumo que com menos de um ano foi parar no fundo da gaveta: o Atari! Ou melhor, o que dinheiro conseguiu comprar: Super Game CCE. Conseguimos ter graças ao vizinho brindado num consórcio (!!!) sem possibilidade de pagar as prestações. Histórico! Quase dormi abraçado àquela maravilhosa caixa preta de (Wow!!!!) quatro cabeças... Flores? Para alugar filmes era preciso dinheiro, e crianças normalmente não tinham, a não ser que se chamassem Macaulay Culkin. Minha mãe infelizmente ia sozinha à locadora e perguntava aos balconistas o que molecada via. Foi uma fase cinematográfica triste. Assisti qualquer coisa que tivesse a palavra “Dinossauro” no título... Na banca fazia o mesmo, e um monte de revistinhas do Conan poluía minha coleção. Tinha dó de lhe dizer que detestava quadrinhos de heróis americanos, ainda mais preto e branco!!! Muito troco de padaria precisou ser ocultado se quisesse alugar coisas como Juventude Transviada! Aprendi a ser rebelde odiando Sal Mineo que atravancava o romance da Natalie Wood com o James Dean! Quando emprestei Gozando nas Nuvens de um colega, a estréia no mundo X-Rated de tanta tecnologia, o VHS foi cruelmente engolido pela máquina. O momento mais “Todo Mundo Odeia O Chris” da minha vida! Voltou do conserto (fazia um mês que a garantia estava vencida) e só aí se revelou para todos qual fita estava presa. Até hoje não sei se apanhei pelo prejuízo ou pela sacanagem em si, propriamente dita....

[Ouvindo: Mundo Colorido – Vanusa]

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Comer Beber Viver

Uma das melhores coisas dos restaurantes japoneses é a aventura de não identificar se o que se come é de origem animal ou vegetal. O otimismo nos faz crer que o mais nojento é vegetal e o mais simpático animal. De preferência dos que fazem muuuuu ou oinc oinc! Há ainda a hipótese de ser fungo... E quem quer saber com antecedência o que está comendo que vá ao McDonalds! Uma campanha de esclarecimento garantiu que aquele sabor, idêntico em qualquer parte do globo terrestre, é 100% carne bovina. Descartar a possibilidade da carne de minhoca tirou a graça. Fora ser caro, miguelarem guardanapo, catchup e ainda por cima nos condicionaram a trabalhar de graça tendo que limpar a mesa. Negocio da china! Já nos lugares que se autodenominam da terra do sol nascente todos possuem pratos com os mesmos nomes, mas nunca possuem o mesmo sabor. É de se desconfiar que muitos não tenham referência alguma com o Japão, além de servirem peixe cru e o dono ter olhos puxados. Até na Liberdade, num muquifinho tão bacana que descobri, de comida aparentemente autêntica e espelhos forrando as paredes (o que faz almoçar com a impressão de ser observado secretamente por algum integrante da Yakuza), nota-se que TODOS os funcionários estão mais pra patrícios da Macabéia que do Hirohito! Li que por menos Billie Holiday teria dado barraco num restaurante chinês. Soltou o verbo quando viu um negro entrar na cozinha: “Você viu aquilo? Não existe um chinês na Terra que deixe um filho da puta negro entrar na sua cozinha e nem filho da puta branco também. Isso aqui não é restaurante chinês, isso aqui é uma grande merda!”. Ela era fina e ponto!

[Ouvindo: It Had Better Be Tonight – Henry Mancini]

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Fêmeas em Fuga

Vou muito pouco ao cinema... Apenas meus cineastas (vivos!) preferidos (Tim Burton, Almodóvar, Woody Allen, John Waters, Tarantino, Robert Rodriguez...) me fazem encarar os seguintes riscos: 1) Dividir o mesmo ambiente com adolescentes mal educados; 2) Telas de multiplex minúsculas; 3) Pipoca com cheiro de nádegas passadas impregnando o ambiente, etc. Coincidentemente meus cineastas (vivos!) preferidos (Tim Burton, Almodóvar, Woody Allen, John Waters, Tarantino, Robert Rodriguez...), pelo menos em Jundiaí, são símbolos de salas vazias, o que automaticamente me isenta de encarar os riscos 1 e 3 citados anteriormente. Em conseqüência, é raro qualquer película comandada por eles estrear por aqui. E sábado fui ver Planeta Terror (Planet Terror), meu primeiro (e aguardado) Robert Rodriguez em tela grande! E não assistia algo proibido para menores de 18 anos a sei lá quanto tempo... E logo na bilheteria vi uma mamãezinha querida perguntar se seus filhos menores poderiam assistir junto dela: Não! E a bilheteira me alertou em tom de desculpas que a cópia deles estava com defeito, apresentava alguns riscos, mas não era pra me preocupar já que só duas pessoas reclamaram! Hahahá! Rodriguez deve ter gastado mó tempo incluindo todas aquelas rasuras na imagem pra deixar bem claras as referencias aos filmes de zumbi do inicio dos 80’s!!! O Moviecom poderia com parte da fortuna que cobra em ingresso (12 mangos!!!) para dar aquela treinada bacana nas funcionárias, né? E é um filme a não se perder. Divertido do inicio ao fim, o roteiro mais bem acabado dele, repleto daquelas imagens fortes que quando a gente vai dormir deixam praticamente impossível esvaziar o cérebro. Quando chegar á TV aberta será o cult das próximas gerações, aposte nisso!

[Ouvindo: Disperatamente Io Ti Amo – Caterina Caselli]

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Feitiço da Lua

O que não se faz por amor, né? Qualquer coisa! Qualquer coisa que em um estado menos alterado da mente acharíamos um horror!!! Assistir a um DVD com show da Barbra Streisand já devia valer estadia garantida ao lado do Papai do Céu! Vá dizer que uma judia cantarolando a todo pulmão o ano novo cristão é algo além de detestável? Mas ok, também não mata ficar duas (!!!) horinhas ali, sentadinho esboçando bocejos disfarçados de sorriso... Isso lá custa o quê? “M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A!” A sorte é que é indolor, né? E talvez o grande segredo seja este mesmo, testar a capacidade de tolerância ao que não é familiar à nossa história pessoal. E quantas Barbras da vida aqueles casais de velhinhos comemorando bodas sei lá do quê tiveram que suportar ao longo de tantos anos? Quantos intermináveis jogos de futebol expuseram o ser querido num domingo á tarde, sem deixar de acreditar que lá na frente, num pôr-do-sol qualquer, poderá existir um “felizes para sempre”... Será realmente muito triste quando não se esperar mais nada.

[Ouvindo: No Rain – Blind Melon]

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Invasores de Corpos

Se houver uma invasão intergaláctica, daquelas com abduções em massa, vacas flamejantes correndo pelas estradas, com certeza começará pelo bairro paulistano da Liberdade. Vai-se chegando e logo se vê uma criancinha chupando uma espécie de picolé quadrado verde... Entre uma e outra loja asiática de coisas com cheiros quase sempre semelhantes a repolho lá estará mais um pequeno com o mesmo picolé, e mais outro, e adultos, colegiais, velhinhas de caras tão maquiadas quanto amarrotadas. Todos! Absolutamente todos! Não há quem não esteja com o picolé quadrado verde em mãos. Os lixos transbordando as embalagens chegam a assustar. Nem nos sonhos mais megalomaníacos de um executivo master da Coca-Cola um produto foi tão fervorosamente consumido. E noites em claro rolei na cama arrependido de também não ter provado a iguaria bizarra... No quarto dia, o último a chegar à primeira lojinha japonesa que venda é mulher do padre! Melona é de fabricação sul coreana (de uma tal de Binggrae Co. Ltd.), originalmente de sabor melão, mas há muitos outros inclusive em formato de peixinho, que talvez tenha gosto de peixe!!!! Custa cerca de 3 reais e embora pareça picolé, tem textura quase de sorvete, com um sabor incrivelmente realista. Ei! Pelo menos até agora não dormi dentro de uma vagem gigante. Que eu saiba...

[Ouvindo: Fly Me To The Moon – Astrud Gilberto]

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

A Dança dos Vampiros


Canine


E alguns filmes que se ama muito a vida inteira e quando se consegue rever era um monte de sandices juvenis... Até comprei O Clube dos Cinco, mas só pra constar na minha DVDtéquinha, porque assistir que é bom, não tenho lá muita paciência. E que eu era fã pra chuchu do Judd Nelson (quem?) fica só entre a gente tá? Mas há outros que muito pelo contrário, conforme vai-se tendo mais conhecimento das coisas (“eu não atinava em nada, Gabrieeeeela!”) melhor ficam! Aquele Drácula que o Coppola dirigiu em 92 por exemplo, foi emblemático na minha cabecinha teen... A crítica até malhou, chamou de carnavalesco, tascou que o que eles preservaram em efeitos do começo do século passado exageraram na edição, uma das primeiras digitais da história... Mas enfim, é divertido, classudo, depravado com aquele lobão traçando a Lucy e tem o Gary Oldman, hoje, pobrezinho, pagando as contas como vilão do Harry Potter, diabolicamente fantástico! 15 anos depois, são absurdas as referências ali empregadas que sempre passaram despercebidas. Dãããã! A principal é o respeito ao mito Drácula desenvolvido por centenas de outros filmes, principalmente os da Hammer. Por mais que o visual do conde foi ousado, o imaginário popular foi preservado em inúmeros detalhes. Fiz uma montagem com ele (Bram Stoker's Dracula ) e Drácula, Príncipe das Trevas (Dracula: Prince of Darkness), o meu favorito da Hammer, que você assiste clicando aqui antes de ir atrás de gostosuras ou travessuras.


[Ouvindo: Everybody Loves Somebody – Dean Martin]

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Dark Water

Nos anos 80 mais hype que relógio que trocava pulseiras era se preocupar com o estado pútrido do rio Tietê. Não faço idéia se o ápice da poluição foi naquele período, ou se os anseios naturebas 70’s acharam sentido em tal protesto ambiental. O assunto era tão quente naquele período de cores cítricas que mesmo a gurizada do interior ao voltar da tão sonhada viagem ao Playcenter primeiramente contava (com certo prazer) ter quase vomitado com o cheiro de porco escaldado que havia sentido. Só depois vinham as lembranças do sustão que a Monga, A Mulher Gorila lhes deu, ou o quanto a Orca era incrível! Detalhe, não se comentava o quão ecologicamente incorreto era manter uma baleia numa piscina suja daquelas, mas enfim... Qualquer programa de entrevistas na TV que se prezasse levava um especialista sobre rios, poluição e adjacências clamando pela bem da humanidade: Salve o Tietê! Ok, 20 anos depois lá está aquele filetinho de água fétida dando as boas vindas a quem chega a São Paulo. Não escuto falar no assunto há muito tempo, aliás, só na propaganda eleitoral ou quando algum barraco é alagado e ponto. Toda aquela mobilização, todo o aqüé arrecadado nos anos 80, deu em quê? Se estiver aplicado dês daquela época só de juros despoluímos (finalmente!!!) o Tietê e ainda sobra pra nos protegermos do superaquecimento terrestre...

[Ouvindo: Just I Time – Nina Simone]

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

X-Men

X-Men


Dos superpoderes mais bacaninhas que tenho, está o de usar qualquer controle remoto no escuro total, ou sem olhar. Indo apenas pela obviedade da posição dos botões. Em meio ao tédio colossal que é fazer supermercado descobri outro destes dons. Igualmente fantástico! Clique aqui para ver o vídeo.

[Ouvindo: Pop Star – Ken Rirai]

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Quando Fala o Coração

E cada época da vida da gente tem uma trilha sonora. Sabe-se Deus porque até! Encanei com Xanadu da Olivia Newton-Jhon. E vá grudar na cabeça assim lá no quintos, ô minha filha! Já acordo cantarolando Zaaaaaaaaaaaaanadu! Baixe o clip no You Tube e se prepare para ameaçar aqueles passinhos com o cabelón de escova em dia! Tão ruim que chega a ser maravilhoso! Né não? No dia em que esbravejei nunca ter comprado um DVD com defeito adivinha de qual musical mela-cueca tive a desagradável surpresa? Depois foi um upa conseguir trocar nas Lojas Americanas, e na verdade nem queria tanto assim... Mas com o poder de Zaaaaaaaaaaaaanadu não se brinca... Fui até o fim! Meu medo depois de meses tentando trocar era de que houvesse um defeito de fabricação em todos os Xanadus do mundo ao ponto da necessidade de um recall... Pensou? Pensou? Imagina a fila pra recall do Xanadu? Ali o que não era bicha era brocha! E/ou gorda ensabada solteirona cheirando a mofo 80’s. Eu é que não me aventuraria ali!!! Em verdade lhe digo, a maturidade nos traz também um gosto musical muito menos seletivo.

[Ouvindo: She's Madonna – Robbie Williams]

terça-feira, 4 de setembro de 2007

O Grande Lebowski

Há formas e formas estritamente pessoais de se levar a vida de forma muito mais cool! Não chego ao extremo do patrício lusitano que comprava calçados dois números abaixo do seu só pra sentir o alívio ao despi-los no final do dia, mas é meio por aí. Como devo acordar ás 7h30 (humhum, ninguém é perfeito) e ficava enrolando na cama até 7h45, coloco o rádio relógio pra despertar ás 7h15 sintonizado numa rádio de pagode. Oh! Tem a desvantagem de meu humor despencar logo nas primeiras horas do dia, mas levanto da cama rapidim, rapidim que é uma beleza! Na hora da preguiça de tomar banho tá valendo ir à coleção de Sets, pegar uns cinco exemplares, e tentar achar algo que ainda não tenha lido pelo menos umas 300 vezes ao lado de um maço de cigarros. Aí se vai lendo, lendo até encher o saco de não ter nada mais interessante pra fazer. Sem roupa da cintura pra baixo, é só tirar a camiseta e entrar no banho. Tudo muito prático e simples como uma abridor de latas...

[Ouvindo: Never You Mind – Semisonic]

terça-feira, 31 de julho de 2007

James e o Pêssego Gigante

Êeeeeeeeee! Chegamos ao 5º post especial de aniversário! E parece que foi ontem, né não? E amo celebrar aniversários! Se este blog fosse uma criança, já estaria quase na primeira série... Ux! e me pediria uma roupinha nova de presente, já que este layout aqui já deu... “Olha, este ano está complicado, papai anda muito ocupado! Fica pro Natal, sim?”. E blogs são coisas que a gente mantém porque é teimoso e/ou não tem nada mais interessante para fazer na vida. Se bem que não ter nada mais interessante para se fazer na vida por 5 anos é falta de coisa pra chuchu!!! Meia década de poluição do cyber space! Ok, ok! Preferia que fosse de polução, mas absolutamente nada é perfeito! Wow! E poucas coisas me constrangem mais que fuçar os arquivos daqui. Benza-deus não sou o mesmo de 5 anos atrás... Dá até quase pra ouvir a Gloria Gaynor com aquele hit 70’s, né? Talvez por isso me seja tão grato festejar aniversários. Com ou sem loira glamourosa emergindo de um bolo gigante! “Everybody! Everybody!”

[Ouvindo: Killing Me Softly With His Song – Roberta Flack]

terça-feira, 17 de julho de 2007

Artistas e Modelos

Fiquei sabendo do casal que caiu de um edifício em NY. Na hora associei com algo romântico do tipo amor impossível, Romeu e Julieta ou coisa que o valha, mas parece ter sido fubá do grosso. Estavam pelados! A polícia local (do tipo CSI, pelo menos na minha imaginação) não teria achado indícios de outra coisa a não ser que tentaram dar uma boa bimbada no topo do prédio e na empolgação já era! Splash! Isso sim é que é hardcore... Sabia que tinha alguma coisa errada com aqueles engravatados de Wall Street... E sexo por sexo, tenho trabalhado tanto que praticamente não me sobra tempo para nada! Nem pra isso! Só se a minha cara metade tivesse alguma tendência para a necrofilia, o que não é obviamente o caso. Chego em casa já procurando a cama... Ou sofá. Ou qualquer coisa que me permita dormir. A propósito, não ronco! Tenho um leve ressonar... E gente que trabalha demais não faz sexo. Nem possui blog, né? Porque qualquer atualização nestas circunstâncias é um sacrifício abissal. Ainda mais passando o dia pensando em CMYK, centímetros, milímetros, centenas de DPIs, e depois, capengando de cansaço, refletir em RGB, pixels e em uma miséria de resolução. A parte boa é ter o prazer de criar a capa de uma revista em glorioso papel brilhante. Tá?

[Ouvindo: A Song For You – Kimiko Itoh]

terça-feira, 26 de junho de 2007

O Príncipe e a Corista

Não há dúvidas de que isto aqui é a maior invenção desde os utensílios plásticos a R$ 1,99! Afe, em tempos remotos coisas como a banda Calypso teriam tomado de assalto todos os lugares imagináveis e seria um upa nos livrarmos... As gravadoras bem que tentaram. A poveza preferiu pagar cincão em um CD na banquinha da esquina ou baixar o MP3. E não houve apresentação em programa de auditório domingo à tarde que resolvesse! Filhinha, vá jogar esse cabelón oxigenado em outras playas! E contadores de blogs não mentem jamais! Omitem mas não mentem. Boa parte de quem entra aqui vem no rastro de sacanagem da grossa... Ou de pornochanchadas com aquela atriz angelical nas novelinhas exibindo seu lado devasso na tela grande. E se milhares de pessoas buscam pornochanchada, qual o mistério para não se ver esse gênero tão brasileiro à venda em formato DVD? Com a Internet parece evidente que o mercado aponta para um lado e o consumidor caminha para outro. Oh! E porque não há um produtor que convença Helena Ramos a voltar ao cinema é outro mistério. Estrela de títulos sugestivos como As Cangaceiras Eróticas, O Clube das Infiéis, Kung Fu Contra as Bonecas, Me Deixa de Quatro, entre outros, não dá as caras há muito tempo em lugar algum. Foi justo em Mulher Objeto, obra prima dirigida por Silvio de Abreu, um dos brasileiros verdadeiramente geniais da atualidade, que sua biografia demonstrou força para virar um roteiro. Reza a lenda que a humilde menina do interior, ex-operária, ex-telemoça do programa Silvio Santos, estava um pouco acima do peso para aparecer desinibida em quase 70% desta película, o que a obrigou a procurar um médico. Apaixonaram-se a ponto de, mesmo depois do filme que a transformou em diva da Boca-do-Lixo, preferir a vida pacata de mãe e dona de casa. Quase igual à história da Grace Kelly...

[Ouvindo: Are You Lonesome Tonight – Elvis Prestley]

quinta-feira, 14 de junho de 2007

O Vale das Bonecas


Cansei! Cansei de não ter mais com o que me preocupar... Passei a acompanhar fervorosamente os passos da Paris Hilton! Também se não quisesse pobre de mim, né? Todos os dias há uma noticia sempre fresca da herdeira daqueles hotéis em todos os lugares. Não é preciso assistir ao programa do Leão Lobo nem nada. Minha mãe assiste! Explicou-me que é pra ficar bem informada. Só de pensar que eu saí de dentro dela... E minhas tardes não serão mais as mesmas sem a Claudete Troiano!!! Meu programa trash preferido enquanto almoçava Nissin lámen com groselha vitaminada Milani. Yahoo! Foi lá, com a sensitiva Sônia Fernandes, onde descobri que as rachaduras aqui de casa são culpa dos espíritos zombeteiros! E a Fabíola Reipert (aquela que fez jornalismo pra escrever que ouviu dizer) contou na sua coluna, assim, sem maldade alguma, que uma apresentadora da Band chegava todo dia com bafo de álcool pra fazer seu programa. Até já havia levado pito da direção. A notinha era assim mesmo, sem citar nomes... Mais? Li em outro lugar que a Claudete botou a boca no trombone: Só rodou porque a Márcia Goldschmidt seria amante de um chefão de lá e exigiu seu camarim... Wow! Deve ser bem divertido trabalhar por lá, né? Gente coisa é outra fina. Ah não! Noticias de Brasília estão chatas pra cacete. De uma banalidade atroz! Mas o que mais me intriga na realidade, é que enquanto quero um pouco de glamour nesta vida, o Betinho desejava matar a fome das criancinhas...

[Ouvindo: Needle In The Hay – Elliott Smith]

terça-feira, 5 de junho de 2007

O Dia Em Que A Terra Parou

De todos os cadernos que um jornal pode ter o que lerei por último será o de ciências. O de esportes então vai direto pro Agente Boris Bola. Aquele cãozinho fazendo xixi é tal e qual a batatinha quando nasce, esparrama pelo chão... Ciência, física e adjacências são bacanas coisa e tal, mas não é sobre o que busco saber as últimas novidades. Fico curioso quando descubro, por exemplo, coisas sobre planetas do nosso sistema solar, tão próximos e ainda tão desconhecidos. Ou pior! Daqui da Terra mesmo, como algo sobre a inteligência dos golfinhos ou a sexualidade dos camarões. Sabe-se pouquíssimo sobre tanto... Aliás, duvideodó que os animais sejam tão irracionais quanto afirmam. Se eles aprendem (como nós) por observação, então não me venha dizer que não tem algo muito misterioso aí! Gostava daquela frase que o Lombardi lia quando encerrava o TV Animal. Era sobre o dia em que o animal será reconhecido como inteligente, e qualquer crime contra ele será um crime contra a humanidade. Ou mais ou menos isso... Quiçá crueldades como pesca esportiva sejam abolidas. Veja só, o caboclo desocupado ferra a boca do peixe pra depois jogá-lo de volta a água sem mais nem menos. E já ouvi que peixes possuem um metabolismo que imediatamente se regenera... Tal e qual a buzanfa da mãe do pescador! Humpf! Oh, sim, como esquecer da cafonice que são os rodeios? Já que torcer pelo boi parece ser inútil, todo peão de rodeio deveria ser obrigado a praticar ball stretch pra dançar a macarena. Ugh! Só pra ver o que é bom pra tosse, né?

[Ouvindo: Sabotage – Beastie Boys]

sábado, 26 de maio de 2007

Quem É Esta Garota?

É com meu coraçãozinho apertado que declaro: O Rei está nu! No caso, a rainha... Trocando em miúdos, Björk já foi mais feliz! Do frescor do início dos 90 assim que saiu do Sugar Cubes pouco sobrou. Earth Intruders, por exemplo, a música é bacana, o clipe idem, mas o vocal da senhora Björk Guðmundsdóttir beira o insuportável. Sempre a mesma gritaria! Se for pra ficar ouvindo mulherzinha gritando eu encosto o ouvido na parede e fico escutando minha vizinha. Nem vou precisar de um copo, já que aquela tem um fôlego... A melodia pode ser o que quer que seja, de maxixe a bolero, absolutamente tudo se encaixaria com seu vocal. Diva absoluta, incensada por uma legião de muderrrrnos, aparenta estar segura nesta posição. Aquele vestido de cisne morto que usou certa vez numa cerimônia do Oscar ou o carro alegórico emprestado da Beija-Flor em que entrou na abertura das olimpíadas da Austrália são só exemplos visuais de que acredita que tá podendo e todo mundo vai bater palminhas para o que quer que venha a fazer. Chatérrima! Enquanto isso lá vem a esquimózinha com seus “Blooooooig, Aaaaaaaaaaaaaaah, Iiiiiiiih!”. E falando em pop stars fora do eixo EUA – Inglaterra/ Inglaterra –EUA, tudo indica que a Sony tentará impingir o japonês Ken Hirai, mega astro local, ao resto do planeta. O hit com refrão em inglês, que se chama (adivinhe?) Pop Star, é estupidamente delicioso e grudento. Daqueles que fazem a gente acordar já com vontade de ouvir. O clip visualizadíssimo no You Tube tem até versão legendada em português. Galãzinho e com as bocas malditas já apontando que não gosta da fruta. Deve colar no ocidente… Venus as a boy!

[Ouvindo: Chick Habit – April March]

sábado, 19 de maio de 2007

Peggy Sue- Seu Passado a Espera

E entre os velhos ditados mais estúpidos está certamente aquele que diz que o tempo é o senhor da razão! Pode ser que com o passar das horas certas verdades venham á tona, mas também é irresistível a gente achar o ontem mais gostoso... Que perigo! Tô adestrando meu cérebro. Algumas coisas que pareciam maravilhosas tento encontrar o lado podre. Quem sabe não se evita os mesmos erros? E nem ferrando gostaria de voltar no tempo. Só se fosse inevitável... Se bobear iria levar mais a sério a escola. Menos matérias como educação física. Coisa mais ridícula da fase da terra... Deveria ser opcional. Cheira a resquício do governo Getúlio Vargas. Oh! Eu iria bombar de novo em educação física! Até agora não conheci outra pessoa que já repetiu o ano em educação física!!! Sempre há coisas mais interessantes a se fazer de tarde do que ir dar 30 voltinhas na quadra da escola. Humpf, sem falar que na hora de formar os times ser sempre o último escolhido não é o momento mais bacana da adolescência. Acharia física, química e matemática a chatice de sempre... E aposto! Aposto que com essa sinceridade que Deus me deu novamente não me faria de rogado quando a professora de biologia perguntar o porquê da falta de interesse: “Porque sua aula é um saco! Se é pra ficar copiando infinitos textos da lousa eu compro um livro”. Oh, sim! Repeti em biologia naquele ano também. Vaca vingativa! Talvez não desse de novo porrada na guria que me tirou do sério em pleno intervalo. Eu disse talvez...

[Ouvindo: Sílvia 20 Horas Domingo – Ronnie Von]

quinta-feira, 10 de maio de 2007

Nacho Libre

Essa Wikipédia é mesmo uma mãezinha pra gente, né? Eu por exemplo, na minha santa ignorância, usava o tempo todo “lol” de forma errada. Fulaninho tascou uma obviedade qualquer nos messengers da vida? Lol nele! Podia jurar que era um internetês para Dããããããã.... Mas eis que descubro (só agora, e daí?) que não passa da abreviação do inglês para "Laugh Out Loud", "Laughing Out Loud", ou seja, rindo alto, ou coisa que o valha. Nada mais que o bom e velho “Huahauhaua”!!! Que sem graça... Humpf! Ainda bem que no dia a dia, pra falar, continuo com “Dãããããã”. E viral como essas coisas da internet só a gripe espanhola, diria Carlos Chagas! Se tivesse tido a longevidade da Dercy Gonçalves elevada ao cubo... “Huahauhaua” aprendi com a extinta Lilith (atual Nix) há cyber milênios numa destas madrugadas regadas a pulsos únicos. Hoje até minha amiga de Nova York já acrescentou a seu cada vez mais rico vocabulário. Se bem que costuma confundir com “rs”, que pra nós não passa de um sorrisinho amarelo. Oxalá nunca ter dito Lol pra ela... Meu inglês oscila entre o péssimo e o muito ruim. Salve Nossa Senhora dos Tradutores Online. Que é coreana criada no Japão, casada com grego, mas que atualmente reside em New Jersey!!! Esses gringos devem me achar uma espécie de Cantinflas south american way. Na hora da escrita, eu sou do camarão ensopadinho com chuchu. Lol!

[Ouvindo: Follow Me – Kimiko Itoh]

terça-feira, 1 de maio de 2007

Faça A Coisa Certa

E gente branquinha metendo o pau em racismo me parece coisa tão estúpida quanto macho discorrendo sobre o aborto. No dos outros é sempre mais refrescante, né? Faz quanto tempo que o 3º Reich ruiu? Mais de 60 anos se minhas contas estão corretas. E parece que nem todo mundo tá sabendo da furada de se acreditar na superioridade desta ou daquela raça. Isso num país moreno jambo como o Brasil me faria rir se não desse náuseas. Mas também posar de coitadinho exigindo regalias como cota em faculdades nem sei, viu... A vida seria mil vezes mais fácil pra TODO mundo se houvesse ensino básico decente e gratuito para todos. Uma das minhas paranóias é ficar percebendo a presença/ausência de afro descendentes na mídia. Quando querem mostrar que nem confiança pra racismo são nove modelos no comercial, apenas uma é negra de cabelo quase Black Power para que não haja dúvidas. Outdoor de grifes famosas é bem raro não ser uma menina loirinha, esquálida com cara de quem almoçou um pacotinho de Menthos. A minha teoria é que a propaganda se baseia na idéia falsa (?) de que quando se vê uma propaganda de margarina, não se quer levar banha vegetal para casa, e sim a chance de nos tornarmos aquelas pessoas ricas, jovens, brancas e felizes. Seria só um joguinho sórdido que pega embalo na baixa auto-estima de um povo. Mas não estudo publicidade nem nada, portanto, é só teoria mesmo, repito. Já foi bem pior, né? A TV agora só tem 95%(!!!) de apresentadoras loiras...

[Ouvindo: L'alba Dei Morti Viventi – Goblin]

quinta-feira, 26 de abril de 2007

Cinema, Aspirinas e Urubus


The Head Collector - the video


3 coisa que amo:
1 - Cinema
2 - Tempo sobrando
3 - Tecnologia

Todas elas juntas rola coisas como The Head Collector, um curtinha que fiz e já tá no You Tube. Espero que tenha ficado tão divertido para ser assistido como foi pra fazer com exatos 28 filmes. Clique aqui para o vídeo e na imagem acima para vizualiza-la em tamanho maior.


[Ouvindo: Needles And Pins – Jackie De Shannon]

sábado, 21 de abril de 2007

Matinê – Uma Sessão Muito Louca

Pra filmes não há pressa alguma! E ainda lançamentos sempre são mais caros em locadoras. Na que trabalhei, um lançamento durava cerca de quatro anos! Oh!!! Só no truque! Como cliente fui o rei da chapeira na época do finado VHS. Pessoalmente cinema (de qualquer tipo) é uma fantástica coleção de historinhas contadas com imagens em movimento há mais de cem anos... Ainda há muito o que ver pra passar na frente a sessão daquele ultra novo e badalado trabalho que ganhou o Oscar deste ano. Chegará a vez dele, só não sei quando. Mas há caso e casos, já dizia Dick Tracy... Faz algum tempo que uma película não me deixa tão febrilmente ansioso quanto Grindhouse, o novo que Robert Rodriguez e Tarantino fizeram pra brincar de porcaria 70’s. E tô esperando muito mais do segmento de Rodriguez(Planet Terror) do que o do Tarantino(“Death Proof”). Embora a Folha já tenha dito exatamente o contrário... Humpf! Zumbis e suas possibilidades interpretativas me parecem mais interessantes do que um louco motorizado que sai caçando beldades pela noite. O problema é que se foi mal das pernas em seu país de origem, já dá pra esperar um lançamento tímido, embora a presença dos diretores (!!!) esteja em negociações com a distribuidora. Mas Jundiaí é ooooooutra história. Kill Bill Vol.1 ficou 4 dias em cartaz, e o Vol.2 esperei anos para poder comprar o DVD! Na sala de A Má Educação de Almodóvar estava eu, uma amiga e meia dúzia de bichas pingadas. Na sala ao lado a fila era quilométrica para As Branquelas. Agora Volver, nem pra remédio! Clássico foi a irmã desta amiga perguntando o que é Almodóvar... Só pra constar, minha última expectativa febril tinha sido Matrix Revolutions. Achei estar indo assistir a um filme histórico mas era só outra porcaria americana atrás do meu rico dinheirinho...

[Ouvindo: Baby It's You – Smith]

sábado, 14 de abril de 2007

O Preço da Fama - Pecker

E há algo de podre nessa onda de web 2 ponto alguma coisa. Tudo é muito bom, prático e afins se o ser humano não fosse uma das coisas mais complicadas a viver sobre a Terra. Humpf! Tudo cheira a uma grande orgia de pessoas medíocres na vida real enfim com chance de ter voz ativa entre os pouco queridos semelhantes. Assim, basta você ser (por exemplo) um sueco tacanho com uma conexão á grande rede para entrar num espaço democrático pra chuchu como You Tube, dar de cara com um videozinho bacaninha, mas que você não entendeu nada, e pronto! Você o denuncia e em pouco tempo mais ninguém em todo globo pode assistir aquilo. Não se leva em conta jamais a mediocridade própria. Afe! E tem mais!!! Quem gosta de escrever algumas mal traçadas linhas e tem medo da opinião alheia não é mais prático a fazer um lindo diarinho, daqueles vendidos em papelaria protegidos com cadeado, e guardá-lo numa gaveta ao invés de ter um blog? Perde-se tempo comentando e só depois aparece a mensagem ridícula que se depender da opinião do ilustríssimo ridículo dono daquele lugar tua mensagem será levada em conta ou não! O Flickr é legal, mas nem lá se tem sossego. Simplesmente ignoro qualquer comunidade que necessite de aprovação de seus criadores para que a imagem apareça por lá. Quem precisa de quem afinal? Descarto também quem tenha a ingênua idéia de bloquear suas fotos para serem salvas. A graça da Internet não é o compartilhamento de arquivos? Se for produção própria até se dá um desconto, né? E falando em Flickr e gente cretina, descobri por lá uma espécie de máfia ou seita satânica (ainda não defini) de senhoras que postam fotos de gatos! Lideradas por uma gordinha (sempre elas!) americana com cara de anjo (que, diga-se de passagem, nunca me enganou), botam pra quebrar com qualquer um que desafie suas regras. Tô só esperando se meterem á besta comigo pra elas verem que no Brasil o buraco é um tanto mais embaixo...

[Ouvindo: Too Drunk To Fuck – Nouvelle Vague]

sexta-feira, 6 de abril de 2007

O Fantasma do Futuro

Sejamos realistas! Com sorte, muita sorte, devo ter mais uns 30 anos de vida... Isso com otimismo, sem contar com a ajudinha do tabaco, né? Ou as cada vez mais constantes aspirinas... E quer saber? Isso nem me aborrece em absoluto! Até uva passa!!! Mas seguindo a média, de até agora ter mudado de casa 14 vezes, louvo a Deus cada nerd de óculos fundo de garrafa que se dedica a inventar maravilhosas ferramentas para digitalizar tudo o que tenho. Ou seja, dá pra prever mudanças com pequenos cases de CDs ao invés de dezenas de caixas pesadíssimas com CDs, livros, discos, blábláblá. Sou um colecionador compulsivo de coisas legais. E é muito bom poder conservar digitalmente qualquer coisa que passe na minha frente que me faça feliz. Só agora chegou o que estava na casa da minha mãe. Oh, que mundinho anacrônico e perecível. Principalmente VHS! Morra VHS! E seguindo a Lei de Murphy, as que mofam são sempre as fitas raras, como filmes B da década de 30! Ou aquela obscura produção do cinema nacional 70’s... As podreiras compradas acidentalmente (do tipo Batman Forever) estão intactas, tinindo de novas... Humpf! É a história da minha vida. Carregar tranqueira pra cá e pra lá! Já é lendário na minha família! Eu quase morri nas primeiras horas ao chegar ao Brasil... No aeroporto do Galeão, o pobre lusitaninho estava com duas grandes malas em cada mão. Na esquerda uma de vime (onde viajaram ilegalmente meus dois canarinhos) e na outra as revistas e quadrinhos que achei mais importantes para trazer ao novo mundo. Não deu outra! Sem ter como me segurar na escada rolante levei um tropicão. E agora ninguém mais me pergunte sobre meu trauma de escada! Tá? Wow! Também estou digitalizando os velhos ditados!!! Salvando fotinhas pornôs: Os Thumbnails enganam! Baixando mp3 com conexão dial-up sem deixar de navegar por aí: A curiosidade matou o download! Que venham os últimos tempos!

[Ouvindo: The kids aren't alright – The Offspring]

sexta-feira, 30 de março de 2007

O Segredo do Meu Sucesso

Notícias frescas (bem fresquinhas, mesmo!) do front dão conta de que há uma diva da pornochanchada ganhando a vida em Itapeva! Monique Lafond, uma das desinibidas preferidas do cineasta Walter Ugo Khouri ministra aulas de teatro para as pacatas senhoras do clube da terceira idade de lá. E as velhinhas tão achando-a muito simpática! Pow!!! Morri de inveja delas! Mesmo com mais de 40 trabalhos em sua filmografia, os jornais locais praticamente desconheciam a sua presença. Uma loura daquelas, rosto manjadíssimo estampado em dezenas de capas de revista (Playboy, Ele Ela, Manchete...) nas décadas de 70 e 80, passar despercebida? Ui! Eu queria saber quando ela estará lá de novo para fotografá-la. Luxo! Ia pra minha galeria de fotos de ex-mocinhas do bas-fond. Ficaria lado a lado com outra Monique, a Evans que topa ser fotografada até a gente achar que tá ok. Veja uma delas clicando aqui. Fofa! E cê sabe que eu tô exagerando em chamar a Lafond de diva da pornochanchada, já que apenas um filme ou outro seu pertence a este gênero. Esse título caberia muito melhor a Helena Ramos, a nossa Mulher Objeto favorita! Mas o que será que a levou ao longínquo cafundó inaugurado por Joaquim Furquim Pedroso? Tadinha será que tá passando necessidade? Bem pelo menos não partiu pro cinema hardcore, né? Ensinar às telespectadoras da Rede Vida a arte dos palcos acho bem digno! O IMDB dá como seu trabalho mais recente a participação especial (!?!) em um capítulo da telenovela Pé na Jaca. Pé na Jaca? Parece ser um presságio... Virge, o que será que a Nicole Puzzi anda fazenda hoje em dia?

[Ouvindo: Fly Me To The Moon – Vince Guaraldi Trio]
Related Posts with Thumbnails