domingo, 25 de abril de 2004

Madadayo

E po-po-pode apagar as velas! Estou trabalhando! E que acaso aquele post anterior, hein? Naquela semana em que o Santo dos Últimos Dias o postou começou a acender uma luzinha. Só que pra contar aqui queria ver a coisa ficar mais concreta. Se bem que concreto, concreto em relação a emprego a gente nunca tem certeza, né? Sabe o que estou fazendo pra ganhar meu pãozinho de todo dia e ainda garantir o leitinho das crianças? SOU PROFESSOR!!!!! Oooooooooooooooh! De informática, mas de segunda a sábado lá estou em meu melhor momento Sidney Poitier. Só falta ouvir a Lulu e seu indefectível To Sir With Love! Nuuuuussa, e nos primeiros dias era bizarríssimo ouvir me chamarem de professor. "Quem eu?" E nunca pensei que era tão legal assim! Tipo, descobri vocação mesmo. Amei!!!! Fiquei imaginando os mais bacanas que me educaram (!!!) e porque não os mais carrascos. E acredite, as vezes é preciso ser carrasco também, o que é doloroso. Adolescente mal educado querendo ser engraçadinho? Tem sim, senhor! Será que eles pensam que são os primeiros a fazer pirracinha em uma aula? Eu pensava que sim. E que gratificante ver aquela pessoa quietinha com os olhos vidrados na sua explicação, e quando a gente escreve qualquer coisa no quadro branco (qualquer coisa mesmo) ela copia em um caderninho. Muito bom... Lembrei também o quanto os professores pareciam mitológicos. Só existiam dentro da sala, para mim. Era inconcebível imaginá-los vivendo por aí, ou quem sabe indo ao banheiro que seja. E agora sou chamado de professor também... Tá? Ao mesmo tempo é tudo muito parecido com o teatro. Concentração, frio na barriga a cada entrada em turma nova (E se não me aceitam?), domínio de platéia, e algum texto decoradinho. Claro que TODAS as finalidades das camadas do Photoshop saem fluentemente da minha mente ene vezes ao dia, é porque estudei um bocado antes em casa. Outra coisa engraçada é que uma turma nunca é igual à outra. A aula de Excel (!!!!!!!!!!!) que passei duas horas explicando para uns direitinho, e no tempo certo, jamé será igual ao que será entendido e mostrado aos próximos que se sentarem à minha frente, diante de um PC turbinado, com caras de interrogação. Outra! Um dia passo 4 outras falando sobre o tal programa da Adobe, e logo depois passarei o mesmo tempo ensinando a outros os primeiros passos do mundo maravilhoso do Windows XP. Coisas do tipo: "Tá vendo aquele botão escrito INICIAR ali no cantinho?", ou "Bem, repare que no topo do programa há 3 ícones. Um risquinho, um quadradinho e um X. O risquinho, minimiza, ou seja, encolhe, o segundo aumenta, e o X fecha"... "Professor, o que é ícone?" E os maledetos dois cliques no mouse? Essas aulas, junto com as de HTML e Flash são as mais prazerosas. É o mesmo que apresentar seus grandes e íntimos amigos. Não dá pra esconder a empolgação. E de pensar que isso tudo começou com o Matusa... Que o cyber deus o tenha em bom lugar... E mantenha o Júnior, que o substituiu em boa e milagrosa hora, sempre saudável. Foi com ele que aproveitei meu tempo ocioso de desempregado e deu no que deu. Agora você já sabe o que dizer quando sua mãe te encher dizendo que você passa muito tempo em frente ao PC, né? Mostra esse post!!! E a Samantha que em uma certa manhã fria de julho me mostrou aonde digitar um endereço de internet no IE e agora faço o mesmo? Remuneradamente, of course!

[Ouvindo: Poema Dos Olhos Da Amada - MARIA BETHANIA & JEANNE MOREAU ]

segunda-feira, 5 de abril de 2004

Por uma vida menos ordinária

Muito pior, mas bota pior que isso, que estar desempregado é a pressão! Vou te dar muita pressão, ah, uh! E nem estou me referindo à pressão de todos os alejos que sempre ocorrem quando se anda na mica, mas das pessoas que "teoricamente" querem te dar uma força. "E aí, conseguiu emprego?"... Isso toda hora o tempo todo. Vontade de responder: "Ah sim, óbvio que sim, mas sabe como é, não abandonarei o hábito salutar de distribuir dezenas de currículos pelas manhãs. Estou viciado nisso! Deixei de roer unhas, mas já compensei com outro vício bacana. E nem quero imaginar qual terei quando me livrar do cigarro!!!". E tasco um sorriso amarelo, como tenho feito que só vendo pelas minhas pernadas matinais. E que beleza, fiz um currículo lado B. TOTALMENTE chinfrim. Tipo, agora estou me desqualificando pra ver se rola alguma coisa. E de que valeu ter entrevistado a primeira dama do país, trabalhado no lugar mais histórico e descolado da década de 90 no Brasil, ter desfilado, mantido duas páginas em um jornal durante anos a fio, saber HTML, (e wow, tô ficando craque no flash, aguarde!), escrever, desenhar, atuar, ter dirigido um curta, fotografar, etc., etc. como dá pra notar quem acompanha meu bloguim, se o que eles querem parece ser alguém com alguma experiência em não saber nada de nada, se é que você me entende. E dá-lhe portada na cara, entrevistas "agora parece que vai", e moçoilas energúmenas atrás de mesas de chefia. Ah, e falando em moçoilas, nem vou falar das que estão atrás do mesmo objetivo que eu trajando "sofisticadas" mini-saias. Não quero ser repetitivo. Tá ruim pra todo mundo, mas se é pra apelar, prefiro fazer uma versão mais simplesinha do meu currículo, né? Mais que isso só se mandar estampar camisetas com aquelas frases que a Malibu Stace, a boneca da Lisa Simpson, gosta de proferir. Então fica assim, se não quer, ou não pode me ajudar, torce e não me pergunta nada. Depois disso tudo, quando fiiiiiiiiiiiinalmente conseguir o tão almejado emprego (e nem tô sonhando muito não, viu?) todos ficarão sabendo, muito provavelmente até tu, Brutus. Ah, e depois passa na Dona Zizinha, pega duas compotas de jamelão e 500 gramas de mocotó que não tô podendo!

[Ouvindo: Aterciopelados - Miénteme]
Related Posts with Thumbnails